Arquivo de novembro, 1999

Pois é, o tempo passa …

Todo cronista que se preze tem que fazer crônicas relembrando o passado, ou dizendo que o tempo passou. Esse assunto é extremamente interessante, e eu, sempre que posso, estou lembrando dos tempos de outrora, quando felicidade era um simples sinal indicando o início do lanche. Não vou tentar, com esta crônica, me tornar um cronista que se preze, mas é que hoje, ao vir para a Cultura, me deparei com um outdoor que me fez soltar um berro dentro do carro: SE FERROU SCHUMMI !!!!! Ops ! Toda vez que falo em berro, lembro disso (também, de um jeito ou de outro ele se deu mal).

Mas o outdoor em questão é um, que indica a volta do famigerado e desejado : CEBOLITOS !!! Yeeess !!!! Isso mesmo senhoras e senhores, o bom e velho Cebolitos. Não que eu fosse um consumidor contumaz deste salgadinho ( na verdade, preferia o Zambinos, lembram ? Aquele em forma de pizza). Mas o que me fez feliz, foi a possibilidade de sentir aquele gosto novamente. E não estou falando do gosto de cebola artificial do salgadinho (que eu gosto bastante, por sinal), mas sim do gosto de infância.

É impressionante como existem produtos que nos fazem lembrar de épocas e situações … Na verdade eles não só nos fazem lembrar como nos fazem (re)viver, por instantes, aqueles momentos. E o mais engraçado, é que, normalmente, isso acontece de surpresa. O choque entre o passado e o presente chega a ser violento. Por exemplo, outro dia estava em uma banca de jornais (adoro entrar em bancas e livrarias só pra ficar o olhando, mesmo que não seja para comprar algo) e no canto, perto do caixa (naquele lugar que eu sabia de cor, quando pequeno), vi uma série de envelopinhos de figurinhas. Caramba … Na hora pensei:”Nossa, ainda existe isso ?!!” e logo após me dei conta: “É lógico que ainda existe!!”. É interesante como achamos que as coisas deixam de existir quando não as procuramos mais. E eu realmente adorava figurinhas, ficava até amigo dos donos de bancas, principalmente, quando elas estavam em falta (que ódio !!!). Todo dia eu fazia o mesmo itinerário, sabendo que se na primeira banca não tivesse nada, não teria nada nas outras, mas mesmo assim sempre percorria as mesmas quatro bancas de sempre, na esperança de encontrar algo.

Nesse mesmo fim de semana vi um pacotinho de de Bolim-Bola (não é nem o Bolim-Bolão, nem o Bolim-Frutas, é o Bolim-Bola !!!)… Segurei ele e, por muito pouco não apertei o chiclete que ficava na ponta, para que a embalagem se rompesse, e aquela bolinha vermelha (sempre preferi as vermelhas) fosse lançada velozmente dentro da minha boca, exatamente como quando fazia isso ao comprá-lo na barraca da Dona … (como era o nome dela mesmo ?!!!), uma senhora negra, gorda e invocada, que vendia os doces lá no Pueri Domus (a molecada morria de medo dela, como ela se chamava mesmo ?!!!).

Considero essa volta das “coisas” do passado (o Duplo-Chesseburger, na época, Double-Cheeseburguer, é uma delas) muito importante para mim, principalmente numa época em que a Sessão da Tarde é substuída pela Ana Maria Braga, e que o Vale a Pena Ver de Novo passa novelas que não vimos pela primeira vez (por não gostar mais disso).

Um dia, um grande amigo me disse que quando era pequeno, tinha o sonho de ter todos os times de botão, para poder fazer um campeonato “gigante” com eles. Eu, queria poder ir ao McDonald’s toda vez que quisesse, ou seja, toda vez que passasse em frente de um.

Pois é, caros leitores, indo na onda do Márcio Garcia, o que é mais bonito nas crianças não é o fato de que elas são Gente Inocente, mas, o fato de que os seus sonhos são Sonhos Inocentes !!

E nós, na correria do dia-a-dia, acabamos nos esquecendo dessas coisas tão pequenas, mas que por muitos momentos nos fizeram tão felizes … e apesar de tudo, acabamos sem realizar aqueles pequenos, mas não menos importantes, sonhos que tínhamos.

É … como eu queria poder ir ao McDonald’s sempre que eu quisesse, ou seja, toda vez que passasse em frente de um…

P.S. Lembrei !!!! Aquela senhora negra, gorda e invocada, que vendia os doces lá no Pueri Domus, se chamava Dona Noemi (a molecada morria e medo dela) !!