Arquivo de fevereiro, 2008

Sobre Mulheres e Futebol

Um final de tarde comum na cidade. Dois amigos se encontram no bar da esquina, no bairro da balada, para tomar um chopp e conversar um pouco. Um deles está com problema de relacionamento com a esposa, e o outro com dificuldade de lidar com o chefe que insistentemente o chama de burro na frente dos colegas.

– Como estão as coisa?
– Na mesma, ainda estou no emprego de merda com o chefe de merda.
– Que saco.
– Pois é.
– Viu o jogo ontem?
– Sim, uma vergonha. Empate com o Rio Claro. Imperdoável.
– Não era esse jogo, mas o Timão levou a Lusa numa boa.
– Graças ao Felipe.
– Ele joga em que time?
– Ok, entendi.
– Não se preocupe. Logo o Verdão melhora.
– Não precisa rir. Vai melhorar e muito. O Brasileiro esse ano é nosso.
– Isso eu não sei, mas a série B é nossa com certeza.
– Vai pensando que é fácil vai. É uma pedreira mano. Cada jogo uma guerra.
– Se vocês conseguem nós também conseguimos.
– Sei.
– Já falou com a sua esposa.
– Não.
– Que houve.
– Preguiça.
– Você tem que resolver isso logo.
– Eu sei.
– Está assistindo o BBB?
– Não muito.
– Cada gostosa meu.
– Todo ano é assim.
– E daí. Lindo de assistir.
– Li hoje que logo sai a revista de uma delas.
– Mês que vem.
– Vai comprar?
– Certamente.
– Empresta?
– Nunca.
– Porque.
– Revista de mulher pelada não se empresta.
– Porque não.
– É um bem particular.
– Jesus. Você é um adolescente.
– Pelo menos não sou corno.
– Suposto corno. Melhor isso do que burro.
– Já viu corno inteligente?
– Não.
– Está acompanhando a Liga dos Campeões?

Como andar de bicicleta

– Numa boa, eu já te falei o que é isso.
– – O que?
– Estamos ficando velhos.
– Isso é bobagem. Temos só 30 anos. Não é o suficiente para causar todo esse estrago. Ou é?
– É isso sim. Para sobrevivermos aos 40 temos que nos mexer já.
– E vamos fazer o que?
– Exercício. Chega de ser sedentário.
– Putz, não tem outro jeito não?
– Que outro jeito?
– Sei lá. Um comprimido, uma massagem, ou uma injeção que seja.
– Caramba. Você prefere tomar uma injeção do que fazer exercício?
– Claro. Todo mundo. Você vê, de graça, até injeção na testa, mas nada de correr na esteira…
– Faz sentido.
– Todo.
– Mas não tem jeito não. Nosso problema só se resolve com exercício. Escolhe um aí.
– Ah, sei lá. Qual que tem?
– Como qual que tem? Você quer o que? Um cardápio de exercícios?
– É assim que entendo o mundo. Cardápios ou catálogos.
– Bem, então vai ter que aprender uma coisa ou outra agora. Não se precisa de cardápio para fazer exercício, está em nossa natureza.
– Cara, numa boa, minha ligação mais próxima com a natureza é o tabaco do meu charuto.
– Ok. Vou facilitar pra você. Você pode correr.
– Correr de que? Pra onde?
– Só correr.
– Mas por qual motivo?
– Pra fazer exercício.
– Não faz sentido. Se for correr tem que ser para algum lugar.
– Não precisa. Você pode correr na esteira.
– Ah sim, agora faz sentido. Vou ficar me matando de correr para não sair do lugar.
– Ta bom , ta bom. Então nada.
– Nada? Ótimo, isso eu sei fazer bem.
– Palhaço. Natação. É o exercício mais completo que existe.
– Ah, eu não acredito em natação. Acho que não é exercício.
– Como assim?
– Não acredito num exercício que não te faz suar.
– Mas você está dentro da água, como poderia suar.
– Não me importa. Só é exercício quando sua. Isso eu sei. Vi na ESPN.
– Falaram isso na ESPN?
– Não. Mas é a única fonte que lembrei.
– Numa boa. Chega.
– Ótimo, paramos com essa besteira então.
– Paramos vírgula. Você parou. Eu vou fazer exercício.
– Pó.
– Pó o que?
– Achei que estávamos juntos nessa.
– Nessa o quê?
– Ah, nessa. De morrer com 40.
– Não, eu tenho muito o que fazer ainda depois dos 40.
– O que por exemplo?
– Escrever um livro, plantar uma árvore, ter um filho…
– Blé. Bando de coisa sem graça.
– Pagar mais barato por ser idoso.
– Hummm. Verdade.
– É.
– Me convenceu. Me ajuda aí. Eu faço exercício. Faço o que você fizer. É só falar.
– Vou andar de bicicleta.
– Ah, isso eu não posso. Já faz muito tempo que não ando. Esqueci como faz. Melhor deixar pra lá.