Solteirice

Certa vez, uma amiga me perguntou como se deveria comemorar o “Dia dos Solteiros”. E logo comentou saudosa sobre a nossa solteirice, aquele tempo em que também ela era livre…

Minha resposta:

Engraçado, ser livre, pra mim, é poder querer o que se quer, sem ter que querer os quereres dos outros (neste caso, do outro).

Outro dia via um programa sobre as terras onde formaram-se os antigos quilombos, que são hoje reservas onde vivem os descendentes dos escravos fugidos. Um dos chefe de uma destas comunidades falou que apesar de hoje serem livres (referindo-se ao tempo em que seus antepassados eram escravos), ele se sentia preso, encadeado pelo amor àquela terra e sua história. Minha mãe definiu a liberdade como a possibilidade de escolha pelo quê vamos nos prender.

Por isso, digo para não esquecermos nunca de que somos livres, de que podemos escolher qual será nossa prisão, por quanto tempo lá ficaremos enclausurados e quais os gostosos crimes que nos condenam.

Quanto ao Dia dos Solteiros, comemora-se numa mesa de bar com os amigos, no sofá do quarto vendo antigas fotos e memórias ou dizendo para o seu amor: “Que bom que somos livres! Te amo!”

Minha solteirice sempre foi igual, sempre com coisas gostosas. Mas também sempre diferente, com peculiaridades como perucas pretas e meias arrastão para um baile de máscaras, Porsches e risadas, cappuccinos e bebidas coloridas, cinema sozinha, sofá da sala e TV até sábado ou domingo de manhã, balada só de mulheres, fondue só de mulheres, o celular ligado o dia todo e nada… Coisas gostosas, coisas tristes, coisas de gente independente, coisas agoniantes, coisas, coisas e mais coisas.

Minha solteirice sempre foi cheia de coisas, mas as melhores foram os momentos gostosos junto de alguém!

Acho que ser solteiro é ser livre, mas ser casado é saber ser livre. Pena que nem todos sabem disso.

G, vamos sempre rir e lembrar da nossa solteirice. A minha continua, mas a nossa já faz tempo…

Compartilhe!

13 Comentários on "Solteirice"

  • Ricardo diz

    Isso aí Anninha !!! E vc que dizia que não conseguia escrever … Vê se continua escrevendo e ajudando a gente, principalmente a entender a solteirice. hehehehe

    Beijos e parabéns!

  • Paulo diz

    Ser solteiro é…. hehehehe… muito legal, Anninha. Mandou bem! Espero que esse te encoraje a mandar outros textos.

    Bjos.

  • Estou precisando mandar, mesmo. Estava vendo alguns que tenho guardadinhos e sabe que parece que apuraram c/ o tempo? *rs*

    Rafa, era filho de mãe SOLTEIRA, que bom que alguém assumiu! *rs*

  • Rafael diz

    Fico feliz, e acho que posso me sentir um pouco pai deste texto. Espero que você continue escrevendo pra gente. Precisamos descobrir as mulheres cronistas que vagam pela cidade. Parabéns!

  • Anna, você é um serzinho lindo que saiu de mim e tomou conta de seu próprio espaço, mesmo quando eu resisto (e eu resisto, apesar de te querer livre e solta e responsável… coisa de mãe? coisa de portuguesa? coisa de amor? vamos saber…) E teu espaço hoje se expandiu, ultrapassou os “conhecidos”, alcançou os in-conhecidos, pode ter tocado algum outro espaço especial, dado sentido a alguma voz tímida, não manifestada. Em algum lugar alguém pode ter dito é isso aí – e prestar atenção. E ampliar o sentido de liberdade (responsável, por favor!) é certamente uma coisa que faz bem à alma.

    Anna, serzinho lindo que saiu de mim e ganhou asas, me comove te ver alçar vôo. Boa viagem. Graaaaaaaaaande e booooooooooa viagem. Te espero em todas as esquinas, em todos os retornos.

    Margarida

  • Gente, o comentariozinho aí de cima não foi meu, não, tá! Foi de Mums, tb conhecida como Margarida ou Móca!

    Sorry! *rs*

  • Rodrigo diz

    Solteirice é estar preso à vontade de quem amamos e que não quer estar conosco…..

  • Kris diz

    Solteirice é muito BOM!!! HEHEHE!!!

    Parabéns Anninha…Ficou dez!!!

  • Monica diz

    É isso ai anninha, arrasou!!!

    Ser solteiro é entender a liberdade e nao ter medo de ficar sozinho, aproveitar o maximo do que acontece agora… estar mais proximo das suas verdades e mais tarde, …quem sabe…querer dividir o que vc descobriu de si com alguem.

    bjoks

  • Antonio Carlos Jayer diz

    Anninha,

    Adorei o seu texto. É tudo tão verdade…

    Continue escrevendo!

    Beijos,

    Antonio

    P.S. msg realocada!

  • Anna Necas

    Solteirice por solteirice, liberdade por liberdade, ainda prefiro a minha, junto há mais de 30 anos com 3 rebentos já virando arbustros.

    Sei que vale a pena ficar aqui olhando todo o dia à espera da tua próxima crónica. Não aceito frustração.

    Beijos.

    Margarida

  • Paulo diz

    Voltando aos textos engavetados. É impressionante como duas semanas de gaveta ( e 38 revisões ) mudam a nossa percepção original do texto…. hehehehehehehehehehehe

  • Anninha diz

    O pior é que quando chega no final, a gente nem reconhece mais nosso próprio Frankenstein! *rs*

    Mas sempre mantenho a versão original guardadinha… sentimentalista, eu??? Bobagem! *rs*

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *