Viagem

Primeiro foi o sol. Aquela luz que era luz tamanha que olho nenhum suportava, só alma. Aquele calor que obrigava meu rosto a ficar vermelho sem que eu tivesse vergonha, a menor vergonha de nada. Um calor que me despia de roupa, de medo. Que desidratava todas as minhas inseguranças.

Depois foram as nuvens. Cachorros, gatos, montanhas, amantes. Todos flutuando na minha frente, contando histórias, devassando suas vidas, convidando a novas jornadas. Aquele monte de ar palpável, de algodão voador, de escultura de anjo olhava pra mim e me provava que o céu era possível.

Logo após foi o vento. Ah, o vento. Carinho, prazer, abraço, força. Tudo num só elemento. Eu sorria e ele me envolvia. Eu fechava os olhos e ele soprava mais forte meu rosto (talvez para eu não esquecer que ele estava por lá). Eu abria os braços e ele mexia nos meus cabelos. Brincava com meus cachos, criava nós que chegavam em minha cabeça e que me deixavam quase sem sentido.

Naquele instante o vento foi homem. Naquele instante o vento foi meu.

Daí veio o chão.

Compartilhe!

8 Comentários on "Viagem"

  • Rafael diz

    Muito bom. Senso de humor e poesia, gostei muito do seu texto.

  • Jacaré diz

    Tá muito legal. Por que você não tenta colocar em versos? Aliás, os versos já estão lá, separados por vírgula e ponto. É só pôr em carreirinha.

  • Dani diz

    Senso de humor? Hum… Engraçado isso.

  • Jacaré diz

    Tem frase que nasceu

    Pra ficar embaixo

    Da outra

    E outras que nasceram

    Pra ficar ao lado

    A opção é do autor

    Mas fica aqui a sugestão

  • Dani diz

    Se já estão lá, não precisa de carreirinha, né Jacaré?

    Pelo menos eu achei que não precisava.

  • Dani diz

    Jacaré. Adorei a sugestão. A bosta de meescrever mensagem é que às vezes as pessoas não conseguem entender

  • Dani diz

    (cont.)

    com bom humor, ironia, ou sei lá. E eu não sou adepta do hehehe.

    Mas de qualquer forma, também achei poesia no seu texto. E ele não precisou estar escrito em carreirinha.

    (hehehe)

  • Alexandre Ramôa diz

    Curto e marcante. Me permita um palpite: acredito que possas escrever contos bem interessantes. Se já escreves, compartilhe. Se não, fica a sugestão. Parabéns!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *