Um momento de prazer

Eis um dos prazeres da vida: defecar! É isso mesmo, defecar, traduzido pelo Aurélio como “separar as fezes ou impurezas de (líquido); expelir os excrementos”. Sei que sua reação foi de espanto, mas ao longo dessa crônica tentarei te cu-vencer de tal afirmação. Vejamos. O pressuposto para encarar esse ato com prazer é deixar de lado algumas frescurinhas muito peculiares as mulheres que se julgam finas o suficiente para se horrorizarem com o assunto. Defecar deve ser encarado com naturalidade por todos, independente de sexo, raça ou credo, afinal, é uma função fisiológica executada tanto pela Ruth Cardoso e Gisele Bündchen quanto pelo Bin Laden e o Brad Pitt. A maior prova do que eu digo está na sabedoria popular que afirmar sermos todos iguais, na dor e no prazer, sobre o “troninho”.

Pois bem! Vamos então encarar as coisas com naturalidade. Comecemos por tratar do tema com mais intimidade, como de merecido. O verbo defecar soa erudito demais pro meu gosto e sugiro substituí-lo por um similar. A palavra evacuar é pior ainda, é coisa de médico, de modo que só nos sobrou a popular Cagada.

Deixada às frescuras de lado, Cagar pode vir a se tornar um dos prazeres de nossas vidas, desde que: 1)- você não sofra de nenhum distúrbio intestinal ou algo do gênero. 2)- não sofra de hemorróidas ou abscessos na região anal. 3)- siga algumas recomendações que em seguida darei, recolhidas a partir de vivências e experiências compartilhadas com quem entendem do assunto.

Já adianto que essa crônica não pretende ser nenhum dogma a respeito de tão nobre momento de intimidade, mas ressalvo que algumas dicas que aqui darei são importantes para um devir mais prazeroso.

Primeiramente, encare a Cagada como um ritual. Não seja afoito. Se você por alguma razão se precipitar pode acabar precipitando coco sobre suas calças. Inversamente, se você deixar o momento certo passar a cagada depois lhe exigira muito mais força, proporcionando assim menos prazer. Por isso, espere o momento ideal que varia conforme a solidez do coco. Ao sentir esse momento chegar, se sólido, caminhe em direção ao banheiro dando tapinhas laterais na barriga, eles aliviarão a força que será feita (juro que isso funciona, aprendi a técnica com meu tio). Aproveite o percurso para soltar puns, se for o caso é claro. Se líquido, os tapinhas são opcionais já que a força exigida para a Cagada será quase nula. Já os puns, nem pensar, são arriscados demais. Jamais caia na bobagem de levar gibis, revistas ou jornais ao banheiro. Lembre-se que esse é um momento muito íntimo e que, querendo ou não, está em primeiro plano neste instante de sua vida, por isso dedique-se exclusivamente a ele.

Chegando ao vaso retire a roupa da cintura para baixo ao invés de somente abaixa-la até os tornozelos, assim você fica mais à vontade.Sente-se! Jamais cague na posição de cócoras, ainda mais se você estiver em idade ou peso avançados, o que na melhor das hipóteses, pode acabar em cãibras ou distensões musculares e na pior o vaso quebrar e você ir parar comicamente no hospital – conheço uma senhora que quebrou a bacia depois do vaso partir-se em pedaços. A posição de cócoras é definitivamente uma limitadora do prazer. Você tem que dividir sua atenção entre o equilibrar-se e o Cagar, o que resulta em algo não muito prazeroso caso você se desconcentre de uma delas. Se por acaso um dia alguém lhe dizer que Cagar de cócoras é mais saudável, ignore, é intriga da o-posição, apesar de que é bem verdade que os orientais vivem mais por cultuarem tal posição. Mas de qualquer forma, para que esse momento se torne agradável exigi-se a adoção de uma filosofia epicurista.

Enquanto estiver Cagando não se apresse, relaxe e aproveite o momento. Os gemidos e ahhh….. ficam a seu critério. Um detalhe importante em cagadas que se prolongam por mais de dez minutos é usar aquela tática ensinada pelos militares; mexa os dedos dos pés e se possível contraia os músculos da perna para ajudar na circulação e evitar os incômodos formigamentos ao se levantar.

Por fim, não se levante e já vá dando descarga(s). Use a imaginação. Olhe para o vazo e confira a letra do alfabeto que você fabricou. Estabeleça metas ou disputas com seus amigos, como, por exemplo, Cagar um “W” ou um “X”. Se quiser peça dicas ao Bi do Paralamas do Sucesso, ele já conseguiu Cagar um quase impossível “W”. Vamos lá, coloque em prática essas dicas e seja testemunha de que Cagar é um dos prazeres da vida. Ah, não se esqueça de dar descarga(s) e lavar as mãos.

Compartilhe!

4 Comentários on "Um momento de prazer"

  • Rafael diz

    ESCATOLÓGICO!

  • Murilo Boudakian Moyses diz

    Não sabia que cagar era uma especialização científica, hehehe.

  • Felipe diz

    Fiquei com a impressão de que o tema poderia ser melhor desenvolvido. O ato de defecar rende boas piadas e algumas poderiam ser mais desenvolvidas.

  • paulo diz

    que cagada!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *