Cronista de Plantão

– Oi…
– Oi.
– Faz uma crônica?
– Quê?
– Faz uma crônica aí que eu quero ver…
– Como assim?!
– Ué, você não diz que é um cronista de plantão?
– Sim, mas…
– Então faz aí, pô!! Ó, vou ficar aqui sentado esperando até cê fazer…
– Você não tem mais nada pra fazer da vida não é?
– Tenho, mas não vou fazer até VOCÊ fazer o que tem que fazer.
– Ah, é assim é???
– É!!!!
– Então tá, quanto você me paga?
– Heim?!?
– É isso mesmo que você ouviu, ou vai querer agora que eu trabalhe de graça? Olha que trabalho escravo é proibido por lei, tá na Constituição, vou chamar o polícia…
– Consti… o quê?
– C O N S T I T U I Ç Ã O !!!!!
– E isso quer dizer o quê, que você não vai fazer??
– É isso aí, se você quiser que eu faça uma crônica tem que me pagar. A não ser que no fundo você não queira que eu faça uma crônica e esteja aqui só pra aporrinhar a minha paciência. Se for esse o caso, aí é que chamo a polícia mesmo, você vai pro xilindró por perturbação da ordem, que tal???
– Por acaso você é advogado é?
– Não, mas meu primo é!
– Pôxa, eu só queria uma crônica…

Compartilhe!

6 Comentários on "Cronista de Plantão"

  • William Mendonça diz

    Oi, Juliana.

    Parece que, de uma forma ou de outra, a gente sempre tem esse tipo de diálogo (mesmo que só imaginário). Quando a gente escreve, muitas vezes se sente cobrado pelo leitor. Quando lê, quer mais. Quando gosta do que e de quem lê, quer mais ainda. Eu, que gostei muito do que você escreveu, espero por mais – afinal, você é uma (ótima) cronista. Parabéns!

    Agradeço o seu comentário sobre o meu texto, aquele sobre guardar jornais. Já contei muitas histórias para meus quatro filhos, e fico feliz por poder escrevê-las e deixar que eles as encontrem outras, no futuro, quem sabe!

  • Juliana K. diz

    William,

    Obrigada pelo elogio. Os elogios são sempre um estímulo para continuar a escrever (embora eu ache que mesmo recebendo críticas negativas continuaria escrevendo, sou cabeça dura mesmo). Esse texto em particular não faz muito meu gênero e sinceramente nem eu mesma gostei muito do que escrevi, mas enviei mesmo assim. Outros textos virão, com certeza, e espero que melhores do que esse. Mesmo assim, obrigada pelo elogio! Espero encontrar outros textos seus também por aqui. Quem sabe dentro em breve seus filhos também estarão mandando crônicas!!

  • Thomaz Pedroso diz

    OI Juliana.

    Eu tava vendo sua resposta ao Willia. Nossa ! Se esse texto não é o seu melhor, estou louco prar ve-lô então.

    Continue escrevendo, você tem talento.

  • Juliana K. diz

    Thomaz,

    Obrigada pelo empolgante elogio! Espero que você ainda veja muitos textos meus por aqui…

  • Marcelo Torres diz

    Concordo com o Thomaz, Juliana: se vc não acha esse um dos seus melhores, nós ficamos loucos para saber dos outros. Conheço duas crônicas suas e gostei muito, muito mesmo.

    Parabéns.

    Marcelo Torres

    Brasília-DF

    Escreva-me.

    josemarcelotorres@bol.com.br

  • Juliana K. diz

    Marcelo,

    Estou começando a ficar sem-graça com todos esses elogios, mesmo assim obrigada.

    Já tentei escrever para você nesse e-mail da bol, mas não sei se você recebeu os comentários. Caso não esteja recebendo, me avise, ok?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *