Todo Dia

Nota dos cronistas: esse texto fala de uma data específica e nós não alteramos isso. Mas o que são datas, não é? Você pode esperar até o dia certo para ler, ou, quem sabe, fingir que esse dia é hoje.

Dia Internacional da Camada de Ozônio. Hãã??? É. E é hoje, 16 de setembro. Apesar de praticamente não mais existir, ainda assim é comemorada, ou ao menos lembrada.

Talvez até haja mesmo comemorações. Talvez o pessoal do GreenPeace se reúna em praça pública para tomar umas cervejas, soltar uns fogos de artifício (daqueles não poluentes e caso não haja nenhum passarote nas redondezas). Com certeza, cartazes e placas se agitando pra todo lado e até uma fogueira de latinhas de desodorantes, sprays, ar condicionados e geladeiras de CFC sendo venerada, como o mais novo rei sol.

Ops! Acho que não! Fogueiras geram poluição em abundância e faz alusão às queimadas das grandes florestas, pulmões da humanidade! Existe o Dia Internacional das Queimadas? E das Florestas? Dos pulmões da Humanidade?

Que tal todo dia? Todo dia é dia internacional das queimadas. Queimadas dos pulmões da humanidade que são tomados a cada dia pela fumaça cancerígena de cada folha-em-pó. Um câncer sem cura, contra o qual muitos ainda lutam, mas perdem para a radiação de ganância, ignorância e bestialidade no sentido contrário.

Um câncer que vai aos muitos se espalhando por todo o corpo do mundo. Que causa dores insuportáveis e cruéis. Que causa a cegueira do preto petróleo sobre os olhos e a imobilidade das aves e peixes. Que causa asfixia, falta de ar puro. Que entope e acaba com as veias de água pura sob o solo. Faz apodrecer cada célula de terra sob os pés com a irrigação do mal, do troco, do pagamento pelos serviços prestados e locação do inquieto imóvel.

Hoje é o Dia Internacional da Camada de Ozônio. Tomara que ainda possa ser por muito tempo.

Compartilhe!

7 Comentários on "Todo Dia"

  • Fabiane Secches diz

    Bem registrada a sua indignação. Acho legal que exista espaço neste site também para desabafos, apelos e críticas.

  • maria margarida diz

    Preciso reconhecer que não te reconheço.

    Que é isso, menina? Desde quando?

    Tudo certo demais, frases feitas demais: “queimadas dos pulmões” e “cancer sem cura” estão antológicas.

    Enfim, todos nós passamos mesmo por essas tentativas (ou tentações?).

    Fica fria. Isso tem cura.

    Beijos mil.

  • anninha diz

    Tem, tem cura, sim!

    É só parar de beber e escrever. Se beber, não escreva. E só depois de escrever é que beba! Que tal?! *rs*

    Tks, anyhow!

  • André diz

    Oi Anna, eu li tuas outras crónicas, e essa também! Pode não ser o teu estilo, mas foi com certeza uma cronica forte! O que falta hoje em dia é posicionamento forte, e sem paixões. Foi isso que sentil lendo o Todo Dia. Deve ser por isso que as pessoas gostaram, apesar de se você for no detalhe da letra, da construção das frases e palavras, eu que te conheço sei que normalmente es bem mais graciosa.

  • Monica Murakami de Campos diz

    Eu simplesmente ADOREI sua cronica!!!!!!!

    Como assim nao tem seu estilo?

    Seu estilo eh: escrever muito bem!!!

    Estah otima!!!

    bjos

    parabens

    Mo

  • Murilo Boudakian Moyses diz

    É Anninha, eu também espero que essa data seja comemorada por muito tempo. Parabéns pela crônica e pela atitude.

  • anninha diz

    Eu ainda não me conformo com o texto… *rs*

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *