MICRÔNICA [#9]

Quando enxergava, lembro de ter visto na TV uma reportagem policial bem escabrosa mas que me rendeu dividendos excitantes. A notícia em si era broxante: aqui mesmo em Sampa, um homossexual enrustido (barbudo e com pinta de machão), que levava michês para casa, foi achado morto em seu apartamento. Das perfurações de arma branca o corpo sangrou muito (creio que houve luta) e o assassino, descalço, pisou nas poças e deixou pegadas pelo chão. A perícia, então, registrou a pista e por ali começaram a investigar. Todos os michês da área foram “convidados” a cadastrar seus pés para comparação. Em vez de “tocar piano”, deixando impressões digitais numa ficha, dançaram aquela música “Ai bate o pé, bate o pé, bate o pé…” e deixaram a impressão plantar num inusitado álbum podográfico que, para mim, revelou-se pornográfico quando a TV mostrou algumas das solas cadastradas. Parece que a polícia chegou ao culpado, mas o que me chamou a atenção foi o pé chato dum dos inocentados, cujo formato era tão reto que supriu minhas punhetas durante longo tempo, fissurado que sou pelos arcos caídos. Claro que não fui atrás, mas só o fato de saber que havia uma tábua daquelas disponível na praça aumentava minha alegria de viver. Não generalizo, mas ao compor o soneto abaixo (ainda inédito em livro) não pude deixar de lembrar daquele caso particular, cuja ameaça paira sobre todos os gays que decidem passar da fantasia à prática.

SONETO 505 MICHETADO

Mais serve ao cavalheiro do que à dama.
Mais jovem aparenta que o cliente.
Mais másculo se diz do que se sente.
Quer ser mais que um garoto de programa.

Nem tudo que combina faz na cama.
Se dá não quer. Se come não é quente.
Se chupa não engole. Se o diz, mente.
No par sempre é mamado. No bar, mama.

Seu pênis é mais canto que instrumento.
Seu tênis é maior do que seu pé.
Seu riso é menos gozo que lamento.

Aluga o que não tem e o que não é.
Mas cobra a fantasia e, ciumento,
“Amor!” espera ouvir, pago ao café.

Compartilhe!

1 Comentário on "MICRÔNICA [#9]"

  • Rafael diz

    Será que posso dizer que a investigação começou com o pé esquerdo?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *