Os Americanos Vão Dançar

Olá amigos! Antes de mais nada, é um prazer voltar a escrever, depois de alguns longos meses. Como devem ter notado pelo título, venho falar de guerra. Aliás, se eu estudar um pouco de reencarnação, vou me provar que eu vivi em alguma guerra. Sou fascinado por estratégias de guerra, por ataques, por revoluções e por fatos que marcam a história da humanidade. Devo, com certeza, ter participado de alguma guerra, mas não sei como. Acho que isso justifica minha estranha – mas argumentável – mania de estocar alimentos.

De qualquer forma, não estou me pronunciando para falar de minhas manias, outras vidas e crenças, e sim de coisa séria. Como todos estão notando a grande angústia presente no cenário mundial dos últimos meses, a não ser que um grande milagre aconteça – o que eu piedosamente acredito – uma grande desgraça irá acontecer.

Acredito, e aposto a maioria das minhas fichas, que a desgraça acontecerá na América, infelizmente sobre milhares ou milhões de inocentes. Mesmo que um milagre salve o mundo desta guerra, será muito difícil os Americanos continuarem sendo o grande império (ou algo parecido com isso) mundial. A situação chegou a um ponto, que se os Americanos não atacarem, sofrerão uma grande perda de credibilidade e confiança mundial, já que passaram meses ameaçando e não fizeram nada

Mas considerando que a guerra de fato aconteça, é visível, que o Iraque não estaria tão calmo esperando um ataque dos Estados Unidos e do Reino Unido, sem já ter preparado algo. Com a coragem e determinação marcante naquele povo (e nos seus possíveis aliados) algo de muito pesado – e muito louco – pode, ou melhor, deve acontecer, infelizmente. Já estou imaginando cidades explodindo, fogo por todos os lados, ambulâncias e coisas parecidas com o atentado ao World Trade Center de Nova York, mas sem envolver aviões.

Assim como esse grande atentado ocorreu com anos de preparação, provavelmente muita coisa já deve estar planejada a ponto de ser executada. Os Estados Unidos, antes dos atentados, eram muito vulneráveis à entrada de pessoas de diversas etnias, ou seja, há mais de décadas grupos terroristas devem estar instalados por todo o território americano e também pela Europa. O campo de batalha não será no Oriente Médio, mas sim nos principais países desenvolvidos do mundo. Aliás, não fica bem colocar o termo “”campo de batalha””, já que as forças americanas e britânicas estão inteiras no Oriente Médio, deixando seus países, completamente abertos em termos militares, para ações de guerrilheiros, terroristas e quem quer que seja.

O massacre dentro dos Estados Unidos e da Europa pode ser tão ágil e pesado, que não dará tempo das tropas voltarem para proteger seus territórios e suas dignidades. Provavelmente não haverá tempo para reação.

Não sei como devo, ou melhor, devemos, proceder, mas essa guerra comercial, marcada pela ganância, deixará milhões de vítimas, diretas ou indiretas em todo o mundo e conseqüências sérias. O mundo jamais será o mesmo e as pessoas também não serão as mesmas. A possibilidade de destruição em massa ou de utilização de armas biológicas poderão marcar para sempre a humanidade, e deixar cicatrizes enormes.

Mas como toda grande mudança, principalmente ocasionada por guerras, novas potências podem surgir e esse pode ser o grande momento do Brasil e de outros países emergentes se desenvolverem ainda mais, possibilitando a conquista de maior espaço no cenário mundial.

Bom, independente das conseqüências e oportunidades para os países emergentes, gostaria de justificar claramente o título desta crônica: a ganância e a prepotência americana nesta guerra será tão grande, que os maiores atingidos serão eles mesmo. A vontade é tanta de atacar que esta nação está cega e não está conseguindo enxergar o que pode acontecer embaixo de seus próprios pés, enquanto eles esperam liquidar seus adversários como se fossem pequenos insetos indefesos. Aliás, não tão indefesos, já que supostamente essa guerra será causada por uma desconfiança sobre o poderio militar e bélico adversário e, já que por enquanto nada estão encontrando, quando encontrarem – se encontrarem – poderá ser tarde demais.

Compartilhe!

1 Comentário on "Os Americanos Vão Dançar"

  • Romario diz

    Bom nem sei direito com encontrei essa page mas, quando eu li o seu texto senti q isso eh muito mais a sua vontade do q algo com base em fatos reais, tanto eh q ateh agora os arabes ou qualquer outro pais inimigo dos EUA nao demonstrou nenhuma acao de retalkicao com haviao dito antes mesmo da guerra comecar. Que os EUA sao prepotentes e gananciosos a ponto de vender a mae deles por um pouco de dinheiro nao discordo mas acho q a queda desse pais nao se dara num curto prazo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *