Disritmado

Hoje acordei, o sol já estava alto. Me arrumei, tranqüilamente tomei o rumo do trabalho. Inexplicavelmente o trânsito já estava insanamente normal, e não mais tranqüilo como geralmente está a esse horário. Humm… 21o C…o dia vai ser quente, e o horário…droga, ônibus filho da mãe. Cheguei no escritório e o estacionamento, lotado. Caramba, todo mundo resolveu sair mais cedo hoje? Arrumei uma vaga pertinho. Do fim.

Tomei o elevador. Vazio. Não reconheceria o ascensorista até esse dia. Cheguei no meu andar e o frenesi já tomava conta das salas. Estranho. Passei pelo xerox já empapelado, pela expedição já cheia de envelopes e pacotes, já vazia de motoboys. Dirigi-me a minha mesinha, aquela feita de algo parecido com madeira, que tem aquelas gavetas que encrencam. Já com refluxo de papéis. Liguei o computador que me esperava de Windows aberto, bom dia para as mesas vizinhas, café. Ainda que o típico sono da manhã não me afetasse hoje, mas costume é costume.

Comecei a rotina, apesar dela ter começado sem mim. Apesar de eu ter acabado de chegar, a brincadeira na intranet já rolava forte. Meu monitor já estava repleto de “post its” ligar p/, minha caixa de entrada já estava cheia de piadas e os chamados por e-mail para o almoço já tinham começado a chegar mas….são 11:00. Esse pessoal do escritório ta cada vez mais louco. Sigo com meu expediente, ineficiente. Chegou o coffe-cigarrete-chat break, mas, ninguém queria fumar, nem tomar café e muito menos jogar conversa fora. Dizem:”É perda de tempo.”. Afinal qual o problema com o tempo neste dia.

Passei o dia atrasado, nos prazos, no almoço, até na hora de ir no banheiro. Me senti desregulado, com tudo fora do ritmo, meu fuso horário estava na Dinamarca, apesar de eu nunca ter ido pra lá.
Segui nesse universo paralelo onde eu fui o único incapaz de terminar o que eu tinha que fazer antes do final do expediente.
Por um momento esqueço das aulas do catecismo e penso que quem realmente controla o mundo no momento é Salvador Dali. Logo mais os relógios começarão a derreter, tigres e telefones voarão e Bill Gates fará um software que não tenha bugs.

Finalmente fui pra casa, a lua já estava alta, trânsito, tranqüilo. Lar doce lar, lar escuro lar, acendi as luzes. Fui lavar minha vagareza, saí do banho, coloquei o pijaminha e crônica.
Comecei o cabeçalho, é cabeçalho, culpa das minhas professoras do primário, e digitei

São Paulo, 10 de outubro de 2000, 20:50

Peraí, 20:50? Mas no meu relógio são 18:50…ahhh…maldito horário de verão, não era pra atrasar uma hora???

Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *