Tamanho não é documento mas impressiona pacas

Admiro muito essa nossa nova geração. Cheia de disposição, de quebra de tabus, de nova ordem. Tudo é discutido, explicado, mostrado, masturbado. A ordem é não ter bloqueios, não ter preconceitos, mudar conceitos. Nesses tempos, todos nós nos sentimos a vontade para declarar que sempre usamos camisinhas, que nossas primeiras vezes foram ótimas e com nossas (os) namoradas (os) e que temos pleno controle de nossas reações. O problema aparece quando é o contrário.

Quando a coisa fica feia pro nosso lado o discurso não é tão verossímil. Surgem desculpas, desvios e ruídos na comunicação. Quem tem a sinceridade absoluta de dizer que já foi, vamos dizer rápido demais, que nem lembrou da existência dessa tal camisa de Vênus e que sua primeira vez foi com um anjo não tão puro assim.

Vejo enquetes, dessas modernas, onde se pergunta se o tamanho do pênis importa ou não, as respostas são sempre as mesmas, o fundamental é saber usar, sexo é muito mais que a penetração. Tudo bem, concordo plenamente, mas convenhamos, tamanho importa sim, não basta, mas impressiona pacas. Para um garoto de 14 anos, do alto de sua sólida insegurança tamanho é tudo, afinal ser chamado de “miudinho” não é a pretensão de nenhum púbere.

Deixemos os centímetros de lado, peguemos o comportamento. É bonito falar que se traído devemos agir com perseverança e calma, sempre analisando por que o parceiro consumou a traição, e que se consumou, algo havia de errado no relacionamento, afinal a culpa é dos dois. Dos dois? Quem foi lá beijar boca alheia não foi você, se algo ia errado no relacionamento existiam modos melhores da (o) companheira (o) expressar sua indignação, por exemplo por meio da fala. Calma é algo que não existe para uma pessoa que teve a confiança traída, a burrice atestada e a cabeça enfeitada.

Essa sexualidade estampada nos meios de comunicação, agrupa, agride e agrada. Junta gays, lésbicas, simpatizantes, põe à vista beijos, abraços, carícias, seja lá quais forem os protagonistas. Quem gosta é “hipe” seja lá o que isto significar, quem não gosta é careta, ultrapassado, preconceituoso, o antigo normal. Mas a normalidade é muito relativa, ainda mais nos assuntos do amor, qualquer que seja ele. Normais são eles, espertos são eles que ampliam suas opções e maximizam suas chances no campo afetivo. Eu permaneço burro. E inédito.

Nota dez pra liberação sexual, porém vamos com calma. A intimidade é uma coisa difícil de ser partilhada, justamente por isso tem esse nome. Para concluir tenho um caso de um amigo argentino que ilustra bem as prioridades intimistas das pessoas.Ao entrar no seu apartamento éramos gentilmente recebidos com a seguinte frase: “ Mi casa, su casa, mi cama, mi cama.”

Compartilhe!

1 Comentário on "Tamanho não é documento mas impressiona pacas"

  • Adorei!

    Parabéns ao autor. Merecedor de vários prêmios!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *