Ninho de amor

Eles estão abraçados, corpos nus, quentes, um lençol branco serve de laço para a junção de dois em um. Ela com o lado esquerdo da face deitada no ombro esquerdo dele, olhando para uma grande parede cor de sangue, iluminada por alguns spots de luz amarela. Ele segurando o pescoço dela , uma larga janela de vidro, esquadria marrom escuro combinando com o tronco da árvores do parque. Quietos, ouvem apenas o som de “Comptine D’un Autre ete : L’ap”. Os acordes do piano.

Ela suspira denunciando o assassinato ao silêncio que vai cometer.

– Sabe o que eu adoro?

Ele faz cara de desgosto, como se tivessem derrubado seu castelo de cartas.

– O que gatinha?

– Adoro ficar assim juntinho. Abraçada, a respiração fica até difícil de tanto que te aperto. Assim sinto que você nunca vai sair de perto de mim. Não é?

Ele com o olhar perdido na esquadria escura da janela pensa. “Porque não troquei por algo mais claro?”

– É verdade gatinha.

Ela vira os olhos para cima, morde seu lábio inferior com os dentes branquinhos.

– Fico pensando no nosso casamento. Quero casar num jardim bem grande viu amor. Assim vou poder chegar maravilhosa, toda de branco, num landau branco, as madrinhas alinhadas vão formar um arco-íris no altar, não fica parecendo um casamento gay né amor.

Estranho ter deixado a esquadria escura aparente, ele lembra muito bem de falar pro arquiteto que queria tudo branco, cores só nos detalhes.

– Não amor, não fica não.

Ela o aperta mais forte, ainda que tenha sentido uma de suas vértebras estalar.

– Que bom, porque eu adoro madrinhas coloridas. Todas as doze. Uma de cada cor. Acho que vou dar o amarelo pra Matilde que vive sorrindo como um daqueles “solzinhos” que desenhamos na pré-escola. O rosa vou dar para a Tetê que é uma bonequinha, mas corta meus braços se não guardar essa cor pra ela. A Lúcia fica com o verde, ninguém gosta do verde então dou pra ela que se contenta com qualquer coisa. O roxo pensei em dar para a Van, acho que ela tem cara de roxo. Talvez por tanto apanhar do João. Ai credo. Você acha que pega mal amor?

Tem que dar um jeito nisso, “será que dá pra falar com o gesseiro hoje?”, tem que fazer uma moldura pra isso, depois de tanto tempo arrumando a casa descobrir uma falha dessas. O que as pessoas vão pensar dele, um cara que faz tudo no apartamento mas deixa as esquadrias escuras. Coisas ruins com certeza. Pode até deixar de ser convidado para os eventos da turma.

– Pega mal sim amor.

Apertando mais um pouco, ela sente que deslocou o ombro dele, mas continua.

– É, depois penso nisso. O que importa é que vai ser lindo? Nós dois, super apaixonados, desfrutando da realização de nosso maior desejo. Não consigo parar de pensar nisso sabe. É a coisa mais importante da minha vida, nada mais tem importância. Você não concorda amor? No que está pensando?

É, assim que sair daqui vai pegar a agenda, isso não pode passar dessa semana.

– Em nós amor. Em nós.

Compartilhe!

8 Comentários on "Ninho de amor"

  • Thais diz

    coitada!!! homens são mesmo uns insensíveis! isso que dá sonhar demais… acaba sonhando sozinha.

    te amo!

    beijos

  • diz

    Mesmo que doa para ele ou para ela, é totalmente verdadeiro! Perfeito!

  • Rafael diz

    Foco, man, foco!

  • Kris diz

    Não é fácil. Eu quero muito casar!

  • diz

    Tudo faz sentido, ninguém casaria com uma pessoa que mora num apartamento com esquadrias escuras. No fundo, os dois estão falando a mesma coisa.

  • Van diz

    Kris, não gostei desta van não… pega muito mal… muito MAL!!!!!!!!!

  • Kris diz

    Hehehe…essa Van é Van de Vancisléia….pode ficar tranquila…hehehe

  • Murilo Moyses diz

    Concordo, a cor das esquadrias é fundamental. Qualquer um sabe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *