Em trânsito

Distraído com o trânsito, nem percebi. Não sei se ela entrou na minha frente ou já estava lá há algum tempo. Vi seu rosto de relance numa curva para direita. Parecia familiar. Loira de cabelos nos ombros, a franja varria a parte de cima de seus óculos retrô. Radiante no seu Peugeot preto.

Acelerei para emparelhar, mas um carro qualquer se intrometeu no meio. Vidros escurecidos, tiro os meus óculos, ainda assim só uma composição de reflexos, árvores, motos, ambulantes. Só vejo a franja e os óculos. Linda.

Ela vai pela faixa da direita e eu pela esquerda, passamos pelo intrometido, ela é rápida. Aceleramos juntos numa velocidade que nunca nos ultrapassaríamos. Fecha o sinal e tenho a impressão que agora vou conseguir. Emparelhamos mais uma vez e consigo a enxergar de perto. Rosto fino, ovalado, braços delicados, blusinha solta, o cinto de segurança a abraça firmemente. Ah que inveja. Linda.

O sinal abre, quando estávamos começando a ficar íntimos. Uma bifurcação e ela corta rapidamente para a direita. Eu fico na esquerda, os dois caminhos levam ao mesmo destino, mas qual levaria mais rápido? Chegamos juntos no primeiro sinal. Eu levo uma pequena vantagem. Ótimo, assim basta desacelerar e espera-la chegar até mim.

Verde. Os carros a frente dela são mais ágeis, ela abre alguns carros de distância de mim. Tudo bem, voltamos para a mesma pista, consigo recuperar. Troco de faixa algumas vezes, fecho um taxista que me xinga. Ele me entenderia se soubesse meus motivos. Corto para a direita e a passo novamente. Pronto, estou no controle de novo. Olho pelo retrovisor e posso ver a lentes de seus óculos. Linda.

O trânsito anda, sigo lentamente, o quanto posso, mas pressionado por um enorme ônibus não consigo ir muito devagar. Ele buzina, ela tenta vencer alguns lerdos, ela está irritada, com razão, ela é rápida. E linda. Atravesso um cruzamento com os olhos grudados no espelho, a frente não me importa, só quando ela me passa. O cruzamento trava e o sinal fecha. Perco ela de vista.

O sinal fechou. Droga. Será que ela passou? Será que atravessou mesmo com o perigo de bater? Será que me viu?

Droga. O sinal fechou.

Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *