Pelo Correio

“Dê logo um jeito na sua vida!”
Marta leu e releu essa mensagem incontáveis vezes. Ela chegou junto com as contas diárias. Mas não havia remetente, apenas um papel grosso com essa frase em negrito.

Marta pegou a mensagem e sentou no sofá da sala. Ficou 1 hora apenas a encarando. O que quiseram dizer com isso? Tinha uma bela casa, um marido bem sucedido, havia acabado de comprar aquele jogo de panelas de alumínio com teflon que tanto desejava. Não precisava de mais nada. Era feliz. Então por que essas 7 palavras fazem tanto sentido? Era mesmo feliz? Marta achava que era, mas para falar a verdade nunca tinha pensado nisso. Não, não era feliz. Havia apenas se acostumado com aquela velha rotina. Acordava cedo, fazia o café da manhã para o marido, arrumava o quarto, preparava o almoço, lavava o banheiro, limpava a sala, assistia sua novelinha das 6, fazia a janta, assistia a novela das 7 e das 8 e depois ia dormir. Assim ia vivendo. Não podia chamar aquilo de felicidade, no máximo era o conforto do cotidiano. Para ela sua rotina já a satisfazia… Até a chegada da carta. Sim, precisava dar um jeito logo em sua vida! Mas como? Escondeu a carta de seu marido e mal conseguiu dormir pensando. Como sabiam de sua vida?

“Tenha mais tempo para você!”
Sim, essa frase era um ótimo começo. Novamente a mensagem chegou pelo correio junto com as contas. Quem será que as enviou? Não sabia, mas resolveu aceitar o conselho e dedicar mais tempo de seu dia para si. Tudo o que fazia não era para ela; cozinhava para o marido, limpava a casa por obrigação, não tinha mais vida própria. Ainda continha traços de beleza debaixo daqueles cabelos desgrenhados, unhas roídas e vestidos surrados. Pela primeira vez em anos ela resolveu não limpar a casa simplesmente porque não tinha vontade. Como aquele simples ato de poder decidir entre limpar ou não a casa pode nos dar uma sensação de tanta liberdade! Correu para um salão de beleza, arrumou sua maquiagem, comprou um vestido novo e saiu satisfeita como não se sentia há décadas. Escondeu novamente a carta e foi dormir. Seu marido não conseguia entender o porquê dessa mudança repentina.

“Qual é o seu sonho?”
Marta já não agüentava de ansiedade ao esperar o carteiro chegar. Ao receber as correspondências a primeira coisa que fez foi procurar o papel grosso com essa frase em negrito. Marta teve que pensar muito sobre essa frase. Ela havia esquecido de todos seus sonhos. Havia abdicado de todos eles pelo desejo de um jogo de panelas novo ou então de um sofá novo. Desde criança quis conhecer o mundo. Sempre estudo línguas, sabia a capital de todos os países da Europa. Mas nunca viajou para além de Catalão em Goiás, onde tinha uma tia morando lá. Havia se casado muito cedo e não tivera tempo de conhecer o mundo. Largou a Faculdade para virar Dona de casa. E de lá para cá parece que sua vida parou. Não saía mais com as amigas, não sonhava mais em conhecer o mundo, não conseguia ter filhos, por mais que tentassem, não mais vivia. Escondeu a carta, pôs seu vestido novo e resolveu sair com as amigas. Nem viu o marido chegar e não encontrar a janta pronta.

“Seu marido te ama?”
Marta ficou chocada ao ler essa mensagem entregue pontualmente junto com as contas diárias. Sempre havia pensado que sim, mas ontem ela começou a pensar melhor. Ao chegar em casa depois de sair com as amigas, encontrou o marido furioso por não ter encontrado a janta na mesa. Ele ainda reclamou pela casa não estar limpa e ela andar estranha. Marta percebeu então que ele não a amava mais, apenas havia se acostumado com a rotina também. Fora de sua rotina não havia espaço para a Marta. E Marta não queria mais fazer parte de sua rotina. Assim tomou a maior decisão de sua vida. Pegou suas economias e resolveu abandonar tudo para fazer um curso superior na Europa. Resolveu finalmente seguir sua vida que havia se perdido em alguma esquina de seu casamento. Tudo graças às cartas diárias de algum benfeitor anônimo. Não sabia quem era, mas seria eternamente grata a ele. Partiu imediatamente. Não podia esperar até a mensagem de amanhã. Assim foi Marta.

Ao chegar em casa o marido vê o bilhete deixado por Marta: “Fui embora para viver a minha vida. Espero que amanhã você receba uma carta com papel grosso e letras negrito; pense bem sobre sua mensagem que talvez ela mude sua vida também, pois foram por elas que eu o deixei.”

“Chega de Teasers! Dê logo um jeito na sua vida! Tenha mais tempo para você! Ultra Lavadora de Roupas Machine Tank 3000. A Lavadora do Seu Sonho! Se seu marido te ama, peça para ele comprar! Já nas lojas!”

Foi essa a carta de papel grosso e letras em negrito que o marido recebeu. Não entendeu nada, mas com certeza compraria a Lavadora de Roupas para ter a Marta de volta.

Compartilhe!

4 Comentários on "Pelo Correio"

  • paulo roberto vasconcellos diz

    tem algo errado. O meu comentário está na crônica passada. Nào sei como aconteceu. Por favor, control X, control v. Valeu

  • Leopoldo diz

    Opa!! Valeu pelos comentário… E Paulo, acho q vc não chegou a ler Mundo de Sofia, né? É q o texto foi inspirado no livro. A história do livro é meio essa, só q sem o final, é claro… Acho q quem leu o livro vai associar mais com o livro que com um teaser publicitário…

  • Paulo diz

    Joe, ficou muito legal. Hehehehehehehehe

  • Luiza diz

    Simplemente delicioso! Parabéns!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *