Colheita de Estrelas

Incontáveis estrelas iluminavam o céu naquela noite. A lua aparecia tímida perto de tanto brilho. Diziam não haver céu mais estrelado do que aquele de sua fazenda. Deu um último suspiro e chamou seus filhos para dentro de casa. Queria ficar o máximo possível perto dos dois, mas ainda tinha muito o que fazer. Pediu aos filhos para ajudar a recolher todas as estrelas do céu. Pegou uma sacola e lá foram eles.

Eram tantas estrelas que o trabalho parecia durar séculos. Não se importava, afinal era um tempo a mais que podia passar com os filhos. Com todo cuidado pegaram uma por uma até encher toda a sacola. Voltaram para casa com um ar melancólico e com o céu limpo. As estrelas guardadas ajudavam a iluminar o caminho de volta.

Dentro daquela pequena casa, pegou potes menores e foi distribuindo as pequenas estrelas que haviam recolhido. “Essa eu quero que entreguem para o tio Martinho” “Paguem essas ao Nonato” “Devolvam essas para o delegado Coutinho”. Os filhos, repletos de lágrimas contidas, ouviam atentamente ao pedido de seu velho pai.

O mais velho não conseguiu mais se conter: “Não é justo! Por que você tem que ir?” Ele olhou em seus olhos: “Eu tenho que ir porque chegou minha hora. Vou com peso no coração, mas com a alma tranqüila. Sei que os criei bem e já esta em tempo criarem suas próprias estrelas.” O mais novo inconformado: “Por que você quer que a gente distribua tantas estrelas assim? Fique com algumas pelo menos.” Virou-se em direção ao filho mais novo: “Não, para onde eu vou não preciso mais de estrelas. E se não fosse por essas pessoas eu nunca teria um céu tão estrelado em minha vida. Nada mais justo que retribua com algumas de minha sacola.”

Ambos consentiram e continuaram a separação das estrelas diante à um céu tão escuro. “Eu quero que vocês fiquem com a maior parte. Dividam igualmente. É o suficiente para iluminarem a noite mais sombria. Ainda assim nunca parem de cultivar suas próprias estrelas.” Deu um abraço apertado nos dois e saiu.

Os filhos correram para alcançá-lo antes que cruzasse a porta. “Não vá assim. Aceite pelo menos uma estrela. A mais brilhante, para iluminar seu caminho. Uma lembrança nossa. E quando encontrar com a mamãe, entregue tal estrela e diga que não a esquecemos.” Ele aceitou o presente com carinho e partiu sem olhar para trás. Sabia que teriam um futuro iluminado.

Compartilhe!

5 Comentários on "Colheita de Estrelas"

  • Camila diz

    Lindo, Leo!

  • Fernanda diz

    Linda mensagem, Leopoldo! É muito fácil falar de inverno com palavras frias. Falar de sofrimento com versos amargos. Mas você conseguiu despertar sorrisos, ao falar da morte com delicadeza.

    E transformar dias cinzas em poesia é, sem dúvidas, um dom especial. :)

    Parabéns pelo texto! Sucesso!

  • Raquel diz

    Nossa Leo, ficou muito bonito. Lindo mesmo. Parabéns pela ideia e, principalmente, pela execução! Iluminado!

  • Juliana K. diz

    Belo uso das figuras de linguagem!!

  • paulo vasconcellos diz

    mais uma história de um planeta chamado phantamasgoria. Não sei porque me lembrei desses desenhos malucos…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *