Reminiscências Londrinas

Ontem sonhei que viajava. Coisas de sonhos. Pesadelos com a “Madrugada dos mortos” e vapt. Estou em Londres. Sozinho. Apenas uma pequena mochila a tira-colo. Minha primeira vez em Londres. Desci em uma rodoviária. Era uma rodoviária? Parecia um shopping center. Sem libras, sem orientação, sem objetivos. Fui trocar meus Reais pela moeda local. Muitos gringos. Quem mais estaria numa rodoviária fazendo câmbio? Existe um Banco do Brasil em Londres? Uma libra vale R$ 4,512. Tiro meus R$ 120 da carteira e pego o equivalente. Não deu pra nada. Um sanduíche por 2 libras! Mais de 9 reais! R$ 9,024 pra ser mais exato. Não, não estou com fome… ainda. Bom, no caso de emergência estou com meu cartão de crédito. Peraí. Eu nunca tive cartão de crédito. Coisas de sonhos. É hora de conhecer a cidade. Excitação, ansiedade. Londres, aqui vou eu.

Cidade bem arborizada. Céu claro e ensolarado. Avenidas largas. Poucos carros. Grandes passarelas. Por que todos se vestem como o Fatboy Slim? Londres é assim. Para onde agora? Sem guia. Sem mapas. Sem referências. Raquel! Minha amiga Raquel está em Londres. Saudades da Kel. Ela poderia me ajudar. Se soubesse onde ela está. Por que eu não a avisei que viria? Por que não peguei o endereço dela antes de vir? Aliás, por que eu vim assim tão repentinamente? Eu avisei meus pais que estaria aqui? Não importa, já estou aqui. Lembro-me dela ter me contado que trabalha em um Starbucks na frente de uma praça. Será fácil encontrar, afinal Londres não deve ser tão grande.

Andei a esmo pelas ruas da cidade. Fascinante. Muita gente nas ruas. Uma pequena pracinha. Uma fonte de pedra. Mesas ao ar livre aproveitando o dia lindo. Casais namorando. Uma banda tocando beatles:

“The long and winding road, that leads to your door,
Will never disappear, I’ve seen that road before,
It always leads me here, lead me to your door.”

Uma faculdade logo em frente. Pessoas bonitas, estudantes jovens discutindo todos os tipos de assuntos. A faculdade parecia daqueles castelos medievais. Londres respira história. Saindo da rua principal uma pequena vila. Muitas lojas com artigos brasileiros. Brasil está na moda. Todos falando em português. Orgulho do meu país. Já estou no alto da cidade. Ali o Tâmisa. Um rio grande, caudaloso, sinuoso, com suas margens de pedras acinzentadas. Vejo Londres inteira. Grandes montanhas esverdeadas por todos os lados. Encho meu peito e meu corpo arrepia. Mágica.

Está tarde. Tenho que encontrar a Kel. Desço para continuar minhas andanças. O despertador. Acordo. Era um sonho. Aperto no coração. Essa Londres não existe. Nada daquilo era real. As sensações, os sentimentos. Viagens da minha cabeça. Nunca estive nessa Londres e nunca estarei. Mais aperto no coração. Sonhos vãos que com pesar temos que deixar de lado. Londres verdadeira está lá. Cinza, escura e fria. Mas com seus encantos reais e palpáveis.

Compartilhe!

5 Comentários on "Reminiscências Londrinas"

  • Camila diz

    Como você está, Leo? Saudades…

    Eu tive um sonho horrível ontem. Sonhei que o mundo ia acabar e que só me contaram 10 minutos antes de tudo acontecer. Acordei angustiada. O seu sonho me pareceu mais relaxante (apesar do alto preço do sanduba! Rs…)

    Beijo!

  • kel diz

    Entao Leo, londres nao eh assim nem tao boa, nem tao ruim….. Mas fiquei honrada de receber uma citacao em seu sonho e outra no site! Beijos saudosos! Kel

  • Leonardo Lobianco diz

    po, mas londres deve ser muito bom

  • malena diz

    Vc sonhou mesmo ou é só tapiação pra escrever a crônica?

  • paulo vasconcellos diz

    beatles sucks, leopoldo. e o fatboy slim usa camisa florida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *