Xique no Urtimo 2

“Pois bem. Há um ano e alguns dias eu escrevi a segunda crônica da minha vida: Xique no Urtimo. Esse ano ela merece um novo capítulo. Nesse final de semana eu estive em Capitólio, lembram? A cidade onde tinha a quermesse diferente, com leilão itinerante, palmito de R$81,00, bingo etc. Isso mesmo, eu estive lá novamente e, dessa vez, foi ainda mais emocionante.

O lugar estava mais cheio do que no ano anterior, afinal, depois do bingo tinha um show de dupla caipira, um espetáculo. Comemos alguns pastéis, os de sempre. Eu, a Má, seu pai e sua mãe (deixamos de usar a palavra sogro e sogra por motivos de força maior). Ah, e os pastéis eram de queijo.

Descemos para o mesmo lugar do ano anterior, a coisa toda parecia um dejavu. Foi quando, de relance, eu o avistei. Lá estava ele, imponente, encostado na parede, aguardando ser levado. Parecia calmo e descontraído e, dessa vez, estava acompanhado. Eram dois palmitos. O mesmo palmito que eu zombei o ano passado.

Meu coração bateu um pouco mais forte e, por um momento, eu quis aquele palmito. Era como se eu tivesse esperado um ano por ele. Passou um pouco mais de tempo. Acabamos por adquirir um pudinho (pudim com queijo dentro) e uma garrafa de melaço (um subproduto da cana-de-açúcar que é muito bom com farinha de trigo. Vai saber).

Nesse meio tempo o maldito palmito virou uma obsessão. Eu precisava adquiri-lo. Foi quando colocaram o primeiro palmito em leilão.

– Palmito e frango caipira, dez reais.

Frango caipira. Pensei. Que fazer com isso? Depois eu vejo. Voltemos ao palmito. Demos muito lances, mas um engraçadinho que gostava de arrematar tudo levou a melhor. Só pensava em me vingar, e no palmito, lógico.

Saiu o segundo palmito. Lá fomos nós de novo. Muitos lances, gritos e batimentos cardíacos se seguiram, até que o pai e a mãe da Má (que aqui publicamente eu agradeço) arremataram o palmito (com o frango) e me deram de presente.

O final dessa história pode parecer bobo, sim. Mas não deixa de ser histórico, pois o palmito, finalmente, é meu.

Ps: O frango, foi chamado de Dagoberto, e hoje vive bem em Ribeirão Preto
Ps1: O Palmito, logo logo, vai virar janta.”

Compartilhe!

1 Comentário on "Xique no Urtimo 2"

  • Fabiane Secches diz

    Eu adoro esse site. Vcs formam um time e tanto. Cada um com seu próprio estilo de escrever, embora tenham infuências e referências em comum. Muito gostoso de ser lido o seu “Xique no Urtimo 2”. Eu que sou apaixonada por palmitos, fiquei com invejinha do seu. Depois escreva outra crônica contando como foi prepará-lo para o jantar e se toda a aventura valeu a pena! Parabéns! Um beijo, Fabiane

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *