José

“Era um final de tarde comum em São Paulo. O céu estava nublado e as nuvens refletiam um laranja rosado, resultado do por do sol com a poluição, que havia aumentado nesses dias. O trânsito estava pesado, mas não caótico. José parou o carro na calcada e deixou-o com o manobrista. Entrou no bar, eram sete horas, estava vazio.

Sentou no balcão, ia ficar sozinho hoje. não convidara ninguém. Estava cansado de pessoas. cansado não. Estava saturado. Ele mesmo dizia que pessoas dão muito trabalho, exigem tempo, paciência, dedicação. Ele havia desistido, prometeu não se meter onde havia pessoas. Chega de pessoas. Resolveu experimentar relacionamentos diferentes.

Pediu uma dose de uísque, sem gelo, copo baixo. Virou. Apenas para se aquecer. Começaram a chegar pessoas. Ele se concentrou no jogo. havia um telão no bar. Alias, era a sua primeira visita ao estabelecimento. Não queria ir aos lugares habituais. Tinha medo de encontrar alguém.

Mais pessoas chegaram. Quase não haviam mais mesas. Pediu outro uísque. Continuou vendo o jogo. Pediu um bolinho de bacalhau, a especialidade da casa. Seu time, o São Paulo, perdeu, três a dois. Ele não se importou, futebol não e mais problema. É uma coisa de pessoas.

As horas passaram rápido, já era começo do dia. O bar estava vazio. havia apenas José, no balcão. Terminando seu bolo décimo de bacalhau. O último, dizia ele.

Fora isso, aquela era uma manha comum em São Paulo. O céu estava nublado e as nuvens refletiam um laranja rosado, resultado do nascer do sol com a poluição, que havia aumentado nesses dias. O trânsito estava pesado, mas não caótico. Mas havia um pequena diferença. Talvez ninguém vá notar. Talvez nem mesmo faça alguma diferença.

José ficara no Bar. Não foi trabalhar. Dormiu apoiado em uma mesa e lá ficou. Quando acordou, ajudou os garçons a limpar o lugar. Logo de manhã, quando o ar reabriu, comeu um pão na chapa, pediu um suco e mandou um moleque comprar um jornal.

Terminou de ler, tomou o resto do suco, pagou a conta, levantou-se, e foi embora.”

Compartilhe!

2 Comentários on "José"

  • Mas ele não trabalhava de domingo. Ou trabalhava?

  • malena diz

    todo mundo deveria fazer isso uma vez ao menos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *