Se arrependimento matasse…

“Eu nunca fui pessoa de me arrepender, de olhar para trás. Sempre acreditei que olhar para trás carregava todo peso negativo da expressão que representa o ato. Mas hoje eu mudei. Por quê? Muito simples. Quando você não precisa, ou acha que não precisa de respostas, é fácil seguir em frente, colocar o passado nas costas e ignorá-lo, tomar decisões e esquecer as conseqüências.

Porém, hoje eu preciso de uma resposta, uma resposta exata, precisa…matemática.. Não há espaço para especulações, indagações e outras reflexões subjetivas. Eu preciso de uma fórmula. Raciocínio lógico já não basta.

Olhei para frente e enxerguei os caminhos que podia escolher, seguir, mergulhar e me afundar. Eu não via o fim. Como isso não foi suficiente, olhei para o presente, tempo real com as emoções à flor da pele. Confusão total e absoluta. “”Não há resposta, não há resposta””, gritava na minha cabeça.

Relutante, olhei para o passado. Nele as coisas fazem sentido: encontrei situações parecidas, semelhantes. Foi fácil fazer o diagnóstico; difícil vai ser achar o tratamento adequado, como diria o doutor.

Acabou que eu não encontrei. Não sei se isso é comum, mas até que estou calmo, porém perplexo, nunca vivi uma situação assim. Nunca estive nessa ponte, onde se tem névoa nos olhos e nas costas.

Me parece então que não me cabe buscar a resposta, e sim fazer a pergunta, e rezar, talvez, para tê-la logo, bem baixinho, ao pé do ouvido…”

Compartilhe!

5 Comentários on "Se arrependimento matasse…"

  • Murilo, sem dúvida é mais fácil encher-se de certezas e tocar o barco pra frente. Por isso tanta gente é saudosista da infância. Acho justo admirar a infância, mas não por esse motivo.

    Quando raciocínio lógico não ajuda, quando olha-se para o presente e nada parece claro, é porque muitas opções estão aí. E isso, ao contrário da angústia que gera, é ótimo.

    Muita gente prende-se na mediocridade, assim cria artificialmente outras certezas. Assim, contente-se em não ter “a resposta”, mas sim buscá-las, todas elas, quais sejam, dia a dia.

  • mc diz

    Não sei o que me impressionou mais: a crônica ou o comentário do Volponi. De qualquer forma, parabéns para os dois.

  • Jacaré diz

    Olha, Murilóvski, pelo sim, pelo não, veja se não cabe mais uma vasculhada no passado. Muitas vezes ele tem muito a revelar. Pode não ser a reposta, mas uma pista.

    (…)

    I mean it, when I analyze the stench

    To me it makes a lot of sense

    (…)

    If you know your history,

    Then you would know where you coming from

    (…)

  • Jackie diz

    É…. (Jackie sem palavras)

  • Marina diz

    Não existe resposta matematica para a vida,

    As vezes é preciso usar mais o coração

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *