Tinha uma Pedra no Meio do Caminho

“Quando eu tinha 11 anos e acreditava que estudar era uma chatice, eu me lembro de ter dito uma vez: “”tinha uma pedra no meio do caminho, que frase mais idiota””. E me lembro bem de repetir isso por alguns anos, até que me deparei com a primeira pedra.

A primeira pedra é inesquecível. O intervalo de tempo entre o tropeço e a queda é quase eterno. Quando você cai a primeira vez, invariavelmente surge a sensação de que não há mais volta. Não há como levantar. É melhor ficar caído, assumir a queda. Será que dá para ficar invisível, me perguntava?

Depois de algum tempo, com um pouco de esperança e fé, há de se mudar os rumos e tentar erguer-se novamente. De pé vê-se a pedra – estive cego? Preciso continuar, não posso ficar aqui. Segue-se a inexorável inércia da vida.

O horizonte do homem varia de acordo com a amplitude entre o que ele é e o que ele espera ser. Invariavelmente surpreendentes, as mudanças nesses pontos de referência nos levam a tomar decisões radicais, estabelecer rupturas no nosso ambiente. O esforço para sair da situação atual para a desejada vai estabelecer uma seqüência de comportamentos individualistas.

Invejo aqueles que enxergam a longa distância, e conseguem medir seus atos pelas sua direções tomadas. São nobres no cuidado com a vida. Ao contrário dos que olham fixamente para baixo, preocupados com o momento, que são incapazes de enxergar onde pisará depois. Eu sou dos segundos.

Há várias pedras. Infinitas. No final das contas há um mar delas, espalhadas por aí, aguardando a todos nós, os desavisados. Poder olhar a frente não é importante para evitar quedas, e sim para escolher quando há disposição para o risco de queda.

Hoje com 26 anos, eu humildemente me retrato: “”tinha uma pedra no meio do caminho, quisera eu ter visto antes””.”

Compartilhe!

4 Comentários on "Tinha uma Pedra no Meio do Caminho"

  • Rafael diz

    Cara, você tá bem?

    rs

  • Gabi diz

    Nossa, quanta inspiração. Puta texto lindo.

  • Kris diz

    Certas pedras parecem ser intransponíveis mesmo. Quando você acha que já passou percebe que ainda está em cima dela.

  • diz

    Ou então percebe que está carregando a pedra. Eu tenho algumas nas costas faz tempo.

    Mandou muito bem, cara!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *