Pragmatismo

“Um tiro na testa?
– Não sei bem se na testa seria o mais adequado em termos de matar o sujeito, mas esteticamente é ótimo.
– Como assim?
– Fica um buraco no meio da cara, sangra pouco e melhor, faz uma bela imagem para os programas policiais da TV.
– Não acho que vão aprovar uma coisa dessas.
– Não vão mesmo, é por isso que vamos fazer sem querer.
– Agora endoidou de vez.
– Se a gente conseguir matar dois, em uma semana, pronto, resolvido.
– Nem arma a gente tem.
– Mas nós não vamos fazer o serviço sujo não, vamos arrumar um bode.
– Bode?
– Expiatório.
– Ah.
– Precisa explicar tudo para você.
– Eu não sou do interior, sou um cara urbano, para mim o nome disso é trouxa.
– Tanto faz, mas já tenho o perfil ideal do candidato.
– Justiceiro.
– Não.
– Policial?
– Não.
– Então o que.
– Uma velhinha.
– Uma velhinha?
– Pensa bem, de todos esse tipo de gente, uma velhinha é a única com a vantagem da surpresa.
– Pensando por esse lado…
– Então perfeito, esse é o plano. Contratamos a velhinha, avisamos a TVs e pronto. Imagino até as manchetes: “”Surto causado em velhinhas desencadeia guerra civil no transito de São Paulo””
– E depois?
– Depois nada, o medo e o pânico vão tomar conta da cidade.
– Essa é a sua proposta para acabar com os congestionamentos, então?
– Lógico, precisamos de pragmatismo nesses tempos modernos. Esse negócio de lei, gente multando, etc, isso não resolve mais. É preciso usar o medo!
– Certamente. Vamos pedir mais cerveja. Essa proposta ainda pode ser melhorada.
– Certamente, oh garçom!”

Compartilhe!

3 Comentários on "Pragmatismo"

  • Van diz

    Então é este o nivel dos papos nas quintas???

  • Anônimo diz

    Nem sempre o nível é tão alto, mas o estilo com certeza é esse!

  • diz

    (Esse foi meu.)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *