Sábado a Tarde

“Chovia torrencialmente em São Paulo. Já imaginava o trânsito e os problemas decorrentes disso. Ainda bem que ficou em casa, pensou. Sua esposa era pelo menos dez vezes mais animada que ele.Na verdade, qualquer pessoa era mais animada que ele. A amplitude entre os dois era mais notada devido à extensa convivência. Os amigos precavidos alertavam, se você soltá-la muito, um dia ela não volta para casa. No alto de seu saber, ele respondia:

– Pode ir embora que eu arranjo outra.Vai demorar uns dias, mas eu consigo.

Falava da boca para fora.Sua vida social se resumia a TV, ao computador e ao seu cachorro de pelúcia. Adorava o “”maldito bicho empoeirado”” como dizia a empregada, e ele retrucava:

– Porque aqui quem deveria limpar as coisas, nem sabe como fazer isso, mesmo sendo paga para tal!

Depois isso vinha sempre a tradicional discussão de salário e após, exaurido, ia para o computador. Depois que largou o trabalho, criou uma rotina própria interessante. De manhã cuidava da saúde, comia um belo café da manhã, andava pelo parque, passava na academia, ia ao médico, nutricionista, fisioterapeuta, terapeuta e tudo mais.

De tarde ele se ocupava em ganhar dinheiro para pagar tudo isso que ele fazia de manhã. Está certo que a Lurdinha era uma advogada bem sucedida, mas sustentar marmanjo já é demais.Por isso ele passava duas horas comprando e vendendo ações na bolsa de valores e depois mais duas horas jogando pôquer. Era um fenômeno. Sempre saia ganhando.

Nenhuma dessas atividades, entretanto, lhe trazia amigos, conhecidos ou qualquer tipo de gente. Só traziam um pouco de paz e dinheiro para viver aquela vidinha porcaria. Ele sabia que era uma porcaria. Mas não tomava nenhuma atitude para mudar as coisas.

Foi nesse sábado chuvoso que tudo mudou. Quando voltou do cinema, Lurdinha veio com a bomba.

– Estou grávida. Acabei de sair do exame. Vamos comemorar?
– Por que esta grávida?
– Porque fizemos amor gostoso?!
– Ok, mas e os espermatozóides?
– Que tem eles?
– Eu não tenho nenhum, esqueceu?
– Bem…
– E você não foi ao cinema?
– Não…

Pegou o cachorro de pelúcia, o laptop e foi para um hotel. Era hora de mudar de vida, começar tudo de novo, arranjar outra mulher, correr pelo mundo, conhecer pessoas, se arriscar…mas parou e pensou: É sábado e está chovendo… Preciso ir no McDonalds.”

Compartilhe!

3 Comentários on "Sábado a Tarde"

  • Putz, esse aí mereceu!(lama total)

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  • Rafael diz

    Essas suas histórias inventadas são ótemas!

  • diz

    Murilo, quantos “alter ego” você tem?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *