Carimbos

Uma das coisas mais interessantes de ter tido um negócio é descobrir como funcionam alguns dos mais comentados órgãos públicos. Um dos que eu tenho visitado de forma mais constante me chamou a atenção na última visita. O TRT, Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo, aquele mesmo do famoso Juiz Lalau. Uma obra faraônica, que mostra o poder e a imponência da justiça brasileira.  

Nessa visita, depois de esperar por mais de 4 horas por uma audiência com Vossa Excelência, é assim que chamamos os juízes e juizas, acompanhei meu caríssimo advogado para dar entrada numa guia. Legal, eu ia acompanhar alguém que ia dar entrada numa guia, uma coisa importante, relevante, digna de um freqüentador de tamanho templo de justiça. 

Para nos dirigir ao local desejado para tal ato jurídico, descemos pelas rampas do prédio, que tem um declive leve, tornando a caminhada muito agradável. Recomendo. Os elevadores não cheiram muito bem.  

Ao chegar lá, me deparo com o seguinte sinal: “Protocolo”. Bacana. Já tinha ouvido falar que esse tal de protocolo era importante. Pegamos uma fila não muito grande, chegamos a um dos guichês, no total eram uns 30, e tudo ficou escuro, não literalmente, mas o que eu presenciei tirou por completa a percepção de magnitude do local. Depois de tanta expectativa, tudo que aconteceu foi um carimbo. Isso mesmo. Um carimbo. Ainda por cima usam uma máquina. Nem tem aquele barulho característico de uma carimbada. Nada tradicional. 

O TRT tem um departamento de carimbos. Olha que legal. Devem ter umas 50 pessoas trabalhando lá. Será que tem carreira de carimbador. Imagino como deve ser:– Olá seja bem vindo Alfredinho.

– Muito obrigado.
– Seu cargo será carimbador junior. Seu chefe é o Ronaldo, ele já é um supervisor de carimbos e o Diretor da área é o Almeida, supremo gerente de carimbos e afins.– Mas o que eu tenho que fazer?
– Pega aqui esse papel.
– Assim?
– Isso. Põe na máquina.
– Assim?
– Isso.
– Agora aperta o botão.
– Oh.
– Viu só. Acho que você tem futuro. Logo será um carimbador pleno. 

Saí com a impressão de que tinha alguma coisa errada, e perguntei para o caro advogado: 

– Isso aí tudo é necessário?
– Sem isso não tem Tribunal. 

Viva os carimbos!

Compartilhe!

2 Comentários on "Carimbos"

  • Anônimo diz

    Viva!!!!

  • Anônimo diz

    Viva!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *