Pelo Caminho

– Passou.
– Hã?
– Você perdeu a entrada. Era para ter virado ali.
– Ah, não, fica tranquilo. Tou fazendo outro caminho.
– Ah!
– O que?
– Pensei que a gente ia fazer aquele.
– Não, eu queria ir por esse aqui mesmo
– Certeza? Achei que a gente tinha combinado de ir pelo outro.
– Não combinamos, não.
– Combinamos, sim. Se não tivéssemos combinado, eu é que estaria dirigindo.
– Ai, que inferno. Qual a diferença?
– O outro caminho era mais curto
– E daí?
– Daí que a gente ia chegar mais rápido
– Lá tem mais trânsito, e aqui tá livre. Ia dar na mesma.
– Sei.
– Sabe qual o seu problema? È que você quer tudo do seu jeito.
– Do meu jeito?
– É. Tanto faz se demora mais ou menos. O que importa é fazer o que você quer.
– Engraçado… Não lembro da última vez que consegui fazer o que eu queria…
– Ô, dó. Coitado de você.
– Para você ver. Olha agora, por exemplo. Se fosse tudo como eu quero, eu não ia estar aqui, sofrendo no banco de passageiros….
– O que é agora? Tá apelando? Falando que eu dirijo mal?
– Não falei nada. Mas só deixei você dirigir porque prometeu que ia pelo caminho mais curto.
– Como assim, “me deixou” dirigir? Eu dirijo quando eu quero!! E dirijo bem, se você quer saber!!
– Tá, fala isso para a seguradora
– Típico. Um imbecil não pára no sinal vermelho e a culpa é minha. Mas tudo bem. Não dava para esperar outra coisa mesmo. Nada do que eu faço nunca tá bom para você. Só sirvo para você se sentir o maioral, o gostosão.
– Tá, falou. Como se desse para alguém se sentir assim vivendo com você. Só fica aporrinhando, não dá sossego… E não aguenta crítica nenhuma.
– Quer saber? Não vou discutir. Vou ficar quieta.
– Finalmente falou alguma coisa que presta. Só mais um coisa: a gente tinha combinado de vir pelo outro caminho, sim.
– Vai se f*&*, seu v*a%*!
Quando chegaram na festa eles já tinham concordado com o caminho que deviam tomar na volta. Cada um o seu.

Compartilhe!

5 Comentários on "Pelo Caminho"

  • Ricardo diz

    Essa semana o pessoal está bem “mansinho” hehehehe … heheheehe

  • Vai, Paulão, entrega: essa crônica tem quantos porcento de realidade e quanto de ficção? heeheheeh…. duca!

  • Paulo diz

    Valeu, Volpa. Mas juro que não tem nada de realidade. Pelo menos não comigo e com a Rê… hehehehe… Ainda bem!!

  • Renata diz

    Meninos,

    Poxa, se isso tivesse algo de realidade ia ser MUITO ruim! Mas pode crer que algum dia le escreve alguma coisa inspirada na gente…

    Aliás, essa foi uma das que mais gostei do Paulo. Ela foi crescendo…

  • paulo roberto vasconcellos diz

    Senti uma estranha sensação de já ter visto este filme… como diria o viado do cazuza “só entende quem namora”. Você captou bem a essência dos relacionamentos, aquele lado ridículo e ao mesmo tempo engraçado que a gente acha que só acontece com os outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *