Casa de Família

Duas e meia da manhã. A porta do sobrado se abre devagar, sem fazer barulho. Uma pessoa entra na ponta dos pés. Dá uns quantos passos e se volta para o vulto que permanece na porta.

– Está tudo bem. Pode vir.
– Tem certeza?
– Tenho, pode vir.
– Olha lá, hein….
– Quer parar com isso, Távio? Já falei que tá tudo bem. Você quer ou não quer?
– Quero, mas…
– Então pára de se afundar e vem logo.

O Otávio seguia a Roberta sem dar um pio. Não que estivesse calmo, não estava, mas porque conhecia os sogros e não queria arriscar qualquer ruído. Ainda bem que a Roberta sabe as manhas da casa. Já no quarto dela os dois se atracaram sem perder tempo. Dali a pouco a janela estava toda embaçada, dando uma idéia da temperatura ambiente quando o Otávio gelou de novo.

– Tem certeza que não dá para ouvir?
– Tenho, Távio.
– Mas e se, sei lá, você se empolgar?
– Eu não vou me empolgar….
– Não?
– Não… Quer dizer, vou, mas não vou me empolgar assim… Fica tranquilo que eu me empolgo em silêncio, tá bom?
– Tá… Mas…
– Mas o que, Otávio? Cacete! Não tem problema. É seguro, ok? É só a gente ficar quieto que ninguém ouve nada. Podemos continuar? – e o agarra antes que ele abra a boca de novo e destrua a noite de uma vez.
– Hum…
– Nhaaaaaaaaaa…..
– Huuuuummmmmmmmmm…..
– NhaaaaaAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAHHH!!
– Que foi, Rô? Que foi? Lugar errado?
– É, mas não foi isso. Acho que eu vi alguma coisa….
– Hehehehe… É?
– Larga de ser idiota. Acho que eu vi alguma coisa se mexendo aqui no quarto.
– Como?
– Ai, Otávio, sai, sai…. Deixa eu acender o abajur.
– Deixa que eu acendo.
– Foi você, Távio?
– Eu não falei nada.
– Então quem…. ai…. AAAAA – Uma mão impede um novo grito. A luz se acende.
– Fui eu quem falou. – o homem está vestido todo de preto e tem o rosto coberto por uma máscara de esqui. – Se tu prometer não gritar eu tiro a mão, beleza? Tu promete? Aê, taí.
– Quem é você?
– Ninguém, mas tu pode me chamar de Tucão.
– E o que é que você está fazendo aqui?
– Nada.
– Como assim, nada? Você invade o quarto da minha namorada e diz que não está fazendo nada?
– Shhhhh! Olha o volume! Você quer que meus pais acordem?
– Desculpa.
– É isso aí, feio, não tô fazendo nada. Só entrei aqui, valeu?
– Opa! Peraí. Ouviram isso?
– Ouvi. Passos. Ai…. Meus pais!
– O que é que está acontecendo aqui? AH! O QUE É ISSO?
– Nada, mãe.
– NADA? NADA? Como você pelada com dois homens no quarto é nada? E um mascarado ainda por cima!
– Aí, dona, eu não sou tarado, valeu? Essa coisa de três não é comigo. Eu já tava aqui quando eles chegaram, sacou?
– Sei, e quem é o senhor?
– Ninguém, mas tu pode me chamar de Tucão.
– Muito bem, Sr. Tucão…
– Senhor, não, dona. Só Tucão mesmo.
– Tá. Então, Tucão, o que você está fazendo aqui?
– Nada.
– Nada?
– É, tipo, nada….
– Tucão!
– Tá… eu e uns manos távamos armando um lance, mas deu treta, aí a gente teve que espirrar. Eu tava dando um tempo aqui enquanto não liberam a parada, sacou?
– Você está se escondendo, é isso?
– Só.
– E o senhor, senhor Otávio?
– Olha, dona Sônia, não é o que a senhora está pensando…
– Você podia pelo menos colocar a cueca antes de falar isso, meu filho. E você também, Roberta, quer fazer o favor de se cobrir? Ai, que vergonha! O que eu faço com vocês?
– Ó, dona, se a senhora quiser eu posso ensinar o feio aqui a respeitar a mina.
– Hum…. Não sei….
– Mãe!
– Ô, dona Sônia, não brinca com isso…
– Deixa, Tucão. Eu me acerto com os dois aqui.
– Tem certeza, dona?
– Tenho.
– Então eu vou vazar, beleza?
– Tá bom. Você vai como?
– Não tinha pensado nisso. Não tem busão até as cinco… Acho que vou puxar um carro.
– Melhor não, Tucão. Pega esse dinheiro e vai de táxi.
– Valeu, dona Sônia. Se a senhora mudar de idéia sobre o mané aí é só deixar recado nesse número, beleza?
– Combinado.
– Quanto a vocês dois, a gente conversa amanhã.
– Bom, vou indo então…
– Mas tá tarde, Otávio. Mãe, deixa ele dormir aqui?
– Hum….
– Ô, mãe! Esse tal de Tucão ameaçou o Távio, vai saber se ele não está lá fora esperando ele sair…
– Tá bom, ele pode ficar. No quarto de hóspedes.
– Ué, por que não aqui?
– A senhorita está pensando o que, dona Roberta? Isso aqui é casa de família.

Compartilhe!

1 Comentário on "Casa de Família"

  • Renata diz

    Cara, isso ficou realmente genial!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *