Ricardo

Caricatura Ricardo (grande)Nome: Ricardo Casale Laganaro
Apelido: Mamute, Ric, Ri, Bic, Lango-lango, Jefferson, Emerson Lake and Palmer, Rica, Laga, Casale e etc…
Time: Palmeiras e Karlshuher (2ª divisão do campeonato alemão de futebol)
Formação: Graduado em Comunicação Social na ESPM e em Publicidade na ECA-USP.
Ocupação, por obrigação: diretor e efeiteiro especial.
Ocupação, por interesse: pilotagem esportiva, leitura, música, cinema e  … e cronista, pô !
Livro de cabeceira: Pequeno Príncipe … quer dizer, não tenho cabeceira, mas se tivesse, provavelmente seria algum do Woody Allen.
Influências: Começou com Mário Prata, Luís Fernando Veríssimo, J.D. Sallinger, Stanislaw Ponte Preta, entre outros … Ultimamente, Woody Allen, P.G. Wodehouse, Machadão, Poe, Graciliano Ramos e por aí vai.
Se você fosse Presidente da República, qual seria sua primeira medida ?
Mandaria lavar a faixa presidencial
Se você fosse chefe do Comando Vermelho, qual seria sua primeira medida ?
Partiria para drogas mais pesadas, porém lícitas como Fanta-Uva, Pipoca Doce de Isopor, Chup-chup, bandas de pagode descartável e, é claro, Jujuba de Ursinho.

Ricardo também é crítico gastronômico do site Os Gourmets do X-Salada.

Se quiser saber um pouco mais sobre mim, dê uma lida nos comentários que alguns dos cronistas fizeram sobre este que vos escreve: Leopoldo, Hermínio e Kris.

Ricardo Casale Laganaro – Biografia não autorizada – escrita por Leopoldo

No dia 01/04/1979 nasce em São Paulo uma pequena criança loira que vem a se chamar de Ricardo Casale Laganaro. Até nada difere de tantas outras crianças nascidas na mesma data em São Paulo, com exceção de um pequeno detalhe.

O pequeno Ricardo tem uma infância normal, com seus amigos do prédio e colégio. Desde criança nutre uma paixão incondicional por carros. Passa por uma fase difícil de sua vida e começa a tomar Fanta-uva com jujubas de ursinho. Mas supera tudo isso quando descobre as artes. Larga as drogas pelo cinema, literatura, música e afins.

Com o passar dos anos acaba virando um mamutão.

Mas ainda meio sem saber o que fazer da vida, acaba entrando em 2 faculdades. Fato esse que não o ajuda a decidir o seu caminho, mas descobre um espaço onde seu gosto pela arte pode ser melhor cultivado. Tanto é seu gosto que acaba indo pra Hollywood; não ganha o Oscar, mas volta com uma grande bagagem (seja qual for o sentido).

Atualmente ainda não sabe o que fazer, mas está se esforçando em tudo o que faz, seja no cinema, nas crônicas ou amizades.

Mas e que pequeno detalhe é esse que o diferencia de tantas outras crianças citado no fim do primeiro parágrafo? Bom, faz diferença? Isso não vai mudar o bom e velho Ricardo que conhecemos.

Biografia Do Sr. Ricardo Casale Laganaro – escrito por Hermínio

As expectativa para uma festa de aniversário é sempre muito grande, principalmente quando se faz nove anos. Tinha acabado de entrar numa escola nova, conheci pessoas novas e na verdade mal conhecia essa pessoas.

Como todo bom garoto dos anos 80, acabei convidando só os meninos para aquele aniversário pois meninas não eram legais. No meio da correria vi um rapaz loiro (já sabia o nome dele e quem era) com uma camiseta regata preta e uma bermuda preta. Cabelos estilo Billy Idol bem louco. Quando vi o Ricardo disse:

-Cara que roupa mais legal.

E ele disse:
– É uma ocasião especial.

Logo descobri lá um grande amigo. O tempo passou e comecei a ver coisas em comum. Primeiro o automobilismo, os papos-cabeça e o respeito um pelo outro.

Com o tempo fui vendo detalhes e conhecendo melhor este amigo, que me apoiou nos momentos mais difíceis e mais felizes da minha vida e isso eu jamais eu esqueço, estando onde eu tiver, fazendo o que estiver fazendo, vivendo como estiver vivendo.

Fatos curiosos aconteceram. Na Quarta série fizemos na aula de música (que de música mesmo quase nada tinha) um número de poderes sobrenaturais que chamou a atenção de muitas pessoas.

Puxa e as viagens. Fui pra Vinhedo (onde posso dizer que cresci com ele) dezenas de vezes e ele foi comigo para o Guarujá outras dezenas de vezes.

Outro fato legal foi na sétima série (92) que fizemos uma peça de teatro e éramos dois cangaceiros.

Na oitava série chegou a ser um mestre pois foi ele que avisou a sala toda que os padres que moravam no colégio (não é colégio de freira, padre ou nada do tipo) tomavam banho. Foi bem espontâneo o jeito que ele avisou :”Olha um padre tomando banho!” e parou aquela aula que eu acho que era de inglês ou português.

No colegial ele foi para o Vértice e fez várias amizades e isso foi muito legal para mm. Também fiz amigos com isso. A maturidade e a experiência vieram e começamos a ir sempre ver corridas juntos (mais uma galera), muitas baladas, papos sobre meninas no colegial, enfim, coisa de amigo mesmo, situações diversas e interessantes.

Nossa o dia da matrícula na ESPM. Fomos juntos e tomamos trote juntos, chamaram-nos de irmãos (nada a ver).

O Ricardo sempre foi uma pessoa muito especial, que tem idéias maravilhosas. Criativo e observador pra caramba tem um raciocínio ágil e diferenciado.

Posso dizer que é o cara que eu conheço que mais gosta de ir no “Mcdonald’s”, adora também automobilismo, curte cinema pacas e se interessa por coisas que as demais pessoas não se interessam o que o faz diferente.

Esse ano (2001) encontrei ele e o Kris em Los Angeles e foi um fato bem marcante de nossas vidas.

Comentário escrito por Kris

Ricardo Casale Laganaro, popular Ricardo, nasceu dia 1o de abril de 1979, coisa que não é mentira mas era pra ser. Rapazote apressado não quis esperar nove meses pra sair da barriga de dona Ligia. “É muito apertado!” dizia ele, já indicando sua inquietude com o que não simpatiza. Sete meses após ser fecundado nosso mamute já estava dando as caras.

Dar ás caras, aliás, foi uma coisa que aprendi com o Ricardo. Ou ele aprendeu comigo. Ou melhor, aprendemos juntos. Ou um ensinou o outro, ou, sei lá. O que importa é que aprendemos e desde então começamos a parte mais ativa de nossa vida (não que antes fosse passiva). Por favor. Um whisky. Desde 1996, ano em que nos conhecemos, temos nos apresentado desafios para que nossos sonhos deixem de ser sonhos, encarando o risco deles se transformarem em pesadelos. Até agora não fizemos xixi na cama.Ao menos ele, tenho que confessar que algumas vezes deixei escapar.

Essa persistência e confiança são as qualidades que mais admiro neste cidadão. Sempre penso que se não o tivesse ao meu lado não teria me formado no colegial, na faculdade ou no curso de cinema. Ele é do tipo que não aceita falhar e não admite que seus amigos o façam também.

Meu piloto preferido possui todas as qualidades de atuantes desse ofício, concentrado, determinado, competitivo, inteligente e principalmente é doente pelo gosto da vitória. Eu ainda tenho dúvidas se ele vai vingar nesse negócio de escritor. Um dia desses ele se mete num fórmula 1, solta a embreagem, pisa no acelerador e some, deixando-nos na fumaça, e a única coisa que poderemos ouvir será, Ricardo, Ricardo, Ricardo Laganaro do Brasil…

Compartilhe!