A Cela

Lá fora o vento soprava. Ele não sentia, mas sabia que soprava. Pelos menos lembrava que lá fora, o vento soprava; como uma recordação antiga. Ele lembrava. Podia ouvir o som das buzinas dos carros, dos burgueses do bairro, da molecada que corria ao seu lado, do zunido da cidade grande, do cara do biju batendo aquela matraca, do sorveteiro chegando, da Kombi do cara que morava na frente da sua casa. Podia.

O cheiro que sua casa tinha, talvez não fosse mais o mesmo. A flores que exalavam aquele perfume enebriante estavam mortas. Ele não tinha mais tempo. Agora era ele, e ele mesmo, mais ninguém. Estava só; naquele ambiente úmido, mofado e cinza. Há quanto tempo ninguém o vinha visitar? A solidão do enclausuramento o angustiava, era como uma penitência celibatária, contudo a culpa era sua mesmo! Como negar? Condenado por sua própria consciência, ele vagava nos pequenos metros que lhe restavam. De lá pra cá. Daqui pra lá. Da parede pra grade. De uma parede pra outra.

O sol? Quase não via o Sol. Nas poucas vezes que o via, ele estava lá: atrás das grades.

Seu companheiro e fiel escudeiro sempre lhe dizia as coisas certas a fazer. Os dois passavam tanto tempo juntos que eram mais íntimos que muitos casais por aí. Sempre que um precisava, o outro estava ali para ajudar, também pudera, com tão pouco espaço para se movimentar, eles quase podiam provar a lei da ßunião dos corpos. A união era tanta que um dia seu companheiro apagou, sem mais nem menos. Gritar por socorro nada adiantava naquele lugar frio e sombrio. Foi então que teve a atitude de tentar recuperá-lo com suas próprias capacidades. No outro dia de manhã estava a mil, pronto pra outra.

Os dias passavam e a agonia só aumentava. Trancado ali, ele só tinha a si mesmo e seu companheiro, acessor, colega e orientador. Não vou dizer que não tinham suas discussões. Mas isso é coisa normal, nas condições em que se encontravam.

As trancas, as grades. Era ele de lá pra cá e o outro parado, estático. Seu passado, ninguém sabia. Talvez nem ele mesmo. Esquecera porquê estava lá. Porque?

Trancafiado, enjaulado. Não, ele não lembrava de muitas coisas. Apesar de tudo ele tinha direito a um telefonema, um contato com o mundo exterior. É, era isso que ele precisava para se sentir vivo outra vez. Pronto.

Os minutos passavam mais rápidos quando a noite se aproximava. O medo da escuridão total movia os ponteiros dos relógios do mundo. Em seu cubículo, ele agachava comprimindo suas pernas fitando tudo que acontecia com seu companheiro e ouvindo atentamente o que tinha a dizer. O fim de tarde já estava terminado e seu suor esfriava junto com a serração que caía. Ele lembrava o que era serração, mas não a sentia há muito tempo. Lembrava o que era um fim de tarde, mas não via algo assim há muito tempo. Lembrava como era ser humano, lembrava como era falar com as pessoas, lembrava o que lembrava. Simplesmente, lembrava.

As grades, as trancas. Um barulho! O que poderia ser? Não era horário de visitas e ele nunca tivera visitas. Silêncio.

– 5367.

Ele ouvira direito, era isso mesmo, 5367. Era ele, não tinha outro, 5367! Ele estava aflito. Respirou. Expirou. Três vezes. Apanhou uns objetos e foi. As trancas, as grades. Um capuz preto. Frestas na altura dos olhos. Ele, dentro. O capuz, fora. No meio grades.

– E aí? Como vai ser?
– Passa pra cá pra eu ver. É tá certo. Toma.
– É tá certo.

Virou-se. Dois passos. As grades, as tran ……

– Opa! Esqueci de dizer: na compra de uma meia-mussarela meia-calabreza você ganha um refrigerante!

Compartilhe!

2 Comentários on "A Cela"

  • Sabe, eu acho que este seu texto, Rafa, mostra o quanto é importante que tenhamos olhos para todos os sentimentos que nos abalam. Angústia, depressão, solidão. Raiva, incompreensão, loucura. Todos nós passamos por esse tipo de momento na vida, e não é fácil quand….

    No espere! Ligue já antes que o boto se f…!

  • paulo roberto vasconcellos diz

    O clima bizzarro e opressor do texto se desmorona diante da banalidade de uma pizza com direito a refrigerante. Gostei da contraposição e do estilo ousado. Legal, brother.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *