Luffa

Banho é uma coisa ótima, pena que os franceses não saibam. Obrigado, índios de todo o Brasil, por ensinarem o que é bom na vida (e higiênico também).

Não consigo nem me imaginar sem tomar banho; é quase um credo. Dormir sem me banhar é certeza de sono ruim. Sabe quando você dorme com a sensação que esqueceu de fazer alguma coisa importante no dia?!

Esses dias atrás eu estava nesse meu momento postular, nú como vim ao mundo, quando, então, eu percebi. Faltava alguma coisa (Epa! Esperaí que não é nada disso que você está pensando), (e não, não estava frio!). Faltava mesmo, era a bucha. Saca, bucha? Pois é: bucha, esponja, aquela mesma que as nossas mães pegavam e esfregavam nas nossas pernas pra ver se saía a fuligem de um dia inteiro de molecagem.

É, na verdade, não sei se vocês conhecem a bucha da qual eu estou falando. Não é aquela “coisa” que se compra no mercado! Aquilo é espuma, sei lá o que é aquilo. Eu estou falando da bucha, Bucha, mesmo; da Luffa cylindrica, conhecida como bucha-dos-pescadores ou fruta-dos-paulistas. Sim, é a bucha vegetal, a esponja vegetal que a sua avó tinha no quintal de casa. Se bem que hoje, as pessoas nem casa tem. Moram em “apertamentos”. Vai entender.
O que eu sei é que fazia anos que não via essa bucha, ou esponja vegetal. Fiquei bastante melancólico, ali mesmo, dentro do box cheio de vapor lembrando da infância. Quando se é moleque, a hora do banho é um temor (a gente nem entendia o porquê de tomar banho), ou você era esfregado com a bucha (pra arrancar a casca de sujeira do corpo), ou era caco de telha. É. Vai dizer que no meio da choradeira, do diz-que-me-diz-que do banho, sua avó ou sua mãe nunca te ameaçou esfregar com caco de telha pra arrancar o encardido?

Poxa, sujeira era legal, era questão de status. Os melhores, os Bam-bam-bans da rua, brincavam mais, aprontavam mais, sujavam mais. Todo um trabalho jogado fora em 10 minutos de bucha, água e sabão. Tratamento de choque. Mas funcionou. Obrigado vó, obrigado mãe.

Compartilhe!

3 Comentários on "Luffa"

  • Cara, aquilo arde. Melhor uma buchinha vagabunda… :p

  • Raquel diz

    Em casa nunca faltou essa tal de bucha vegetal! Ela é a melhor que existe…. As férias no interior me ensinaram isso…

  • Maria Helena Buscariolo Nunes diz

    Gostei de seu comentário sobre a bucha vegetal.Imaginei-o nas brincadeiras de rua, sujo e sendo lavado por sua mãe com a áspera, mais incomparável para a limpesa” bucha caipira. Estou pesquisando sobre a mesma, pois interesso-me em abrir uma mini empresa rural com esponjas para banho.Parabéns pelo tema.Abraços.M.H.Jandaia do Sul-Pr.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *