Tô de olho na sua bunda!

Existem certas coisas inexplicáveis. O homem já construiu cidades, pontes, navios e aviões; o homem pode correr, navegar e voar mesmo não nascendo com algumas dessas habilidades. O homem já foi ao espaço e à Lua. Contudo, o que continua absolutamente aquém de explicações é como, por Deus, os papéis higiênicos são enrolados do lado errado? É: do lado errado!

Por exemplo: você vai furar a parede do seu banheiro para colocar o porta-rolo de papel higiênico (do mais simples): você fura a parede de que lado da bacia? Não importa … você já furou a parede, instalou o porta-rolo de papel higiênico – e eis aqui a pergunta que obtém 99,8% de respostas afirmativas (quase a mesma porcentagem de semelhança entre os genes do ser humano e do macaco, ainda que este não saiba usar uma furadeira) – e vai colocar o próprio papel higiênico onde é seu lugar de direito: você coloca o papel desenrolando por cima do rolo ou por baixo do rolo? Se você respondeu por baixo, você é 0,2% da população, portanto minoria, portanto não vamos trabalhar com a sua resposta.

Mas se você respondeu que coloca o papel higiênico desenrolando por cima, meu amigo, você acaba de entender o porquê da inexplicabilidade do desenrolar do papel. Porque o inexplicável não é você colocar assim, saindo por cima. Isso a maioria das pessoas faz por questão de higiene (ainda que controversa a explicação de que fazendo assim o papel não encosta na parede), mas sobretudo pela lógica. Veja que se o papel sair por cima sua mão desocupada (a que não puxou o papel) pode levemente correr por de trás da tripa de folhas e segurar medianamente para que a sua outra mão (esta sim, que puxou o papel inicialmente) volte sobre as folhas de papel (seguradas anteriormente pela mão desocupada) fazendo uma dobradura que evita qualquer acidente higiênico.

Se de fato concordamos com esse processo, concordamos que não estamos usando a parte mais macia do papel higiênico, correto? Faça o teste em casa, na firma; vai lá: eu espero.

Qualquer papel higiênico contém mini-relevos estampados chamados: calandras. Sim, calandras. As calandras são de grande utilidade para o processo de industrialização dos rolos de papéis; e para o consumidor tem efeito demostrativo de maciez e de delicadeza. Mas o que adianta tudo isso se na hora de usar o produto, depois das puxadas e dobradas citadas, os relevos ficam para o lado de fora da dobra, sim, diretamente expostos às suas partes íntimas, ali; cara-a-cara (talvez não seja esta a expressão mais correta)?

Rogo aos produtores, fabricantes e desenvolvedores de papel higiênico que olhem para o próprio rabo antes de ficar copiando velhas soluções ou que pelo menos expliquem, então, porque o bendito papel é enrolado ao contrário? Enquanto isso eu fico aqui, atento, de olho na bunda alheia.

Compartilhe!

8 Comentários on "Tô de olho na sua bunda!"

  • hahahahahahahahahaha

  • diz

    Sagaz observador!

  • Kris diz

    O que os olhos não veem o curação não sente…

  • diz

    Não deixa de ser um bom lugar onde se manter os olhos.

    (Kris, essa foi de rachar!)

  • Camila diz

    Banheiro!!!

    De novo???

    Seu cagão!!!

    :-p

  • diz

    Ei, Rafa, pelo menos sua observaçao poderia gerar uma proposta de emprego: que tal contratar umas pessoas para desenrolar o papel e enrolá-lo novamente, desta vez do lado certo? Quantos milhoes ficariam empregados dessa maneira?

    Depois falam que a literatura nao serve para nada…

  • van diz

    Rafa, fazia um tempinho que eu nao entrava no site… morri de rir! Deu até dor de barriga… corri pro banheiro e fiquei contemplando o rolinho de papel!!! hahaha

  • van diz

    acho que a camila tem razao… que tara é esta por banheiros, heim, rafa?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *