Empreendimento do ano!

Depois de muito ver o que ninguém enxergava eu decidi que vou mostrar essa afronta à dignidade, à todos (claroque vou tentar ganhar algum nessa). Não me acusem os falsos moralistas plantonistas. A vida é pra valer. Não tem replay nem tira-teima. Decidi, convicto, que vou abrir um negócio só meu (talvez com um ou outro sócio). Vou sair dessa medíocre vida e caminhar rumo ao fim do túnel que corre por entre a classe média(ocre) brasileira.

Estou cansado de encontrar pessoas que desperdiçam suas vidas em veleidades serviçais, pessoas que ficam atadas a tarefas enfadonhas e se perdem no vai-e-vém dos anos, nas baias e cafezinhos. Nem que seja por intolerância, que não tolero mesmo, às reclamações contumazes sobre a incessante incompetência alheia, geralmente superior (hierarquicamente falando). É preciso… e movido pela necessidade, cedo à tentação de ser o pioneiro. Vou abrir a Escola de Potenciais Dispensados a EPD. Um lugar nobre, imponente, mas sem frescura já que a vida é dura.

A questão é abrir uma empresa, um local, onde as pessoas possam exercer o máximo do próprio potencial (lembrando que o máximo aqui significa: tudo aquilo que a própria pessoa esteja disposta a empenhar).

Se você é infeliz na sua empresa…desculpe o eufemismo: todo aquele, infeliz na empresa, cansado de ser “pixado”, sobrepujado, inferiorizado indevidamente, humilhado intelectualmente por burrice de outrem, constrangido pelo desinteresse no desenvolvimento alheio e até mesmo o próprio, conivente com a situação pífia das metas alcançadas, indignado com falta de reconhecimento, indignado com a falta de conhecimento, avesso às imposições cretinas e mandatórias, insatisfeito com o andamento de qualquer projeto ou situação, você é o “ nosso cara”.

Não, não é um recrutamento panfletário, muito menos pueril. Quero, aqui, deixar aberta as portas da Escola de Pontenciais Dispensados para todo e qualquer indivíduo que assim achar e quiser contribuir para o real desenvolvimento da humanidade.

Descobrimos o fogo, a propriedade, o poder, a força; voamos, fomos á Lua, criamos nossos filhos, armazenamos milhares, bilhares de informações em coisas cada vez menores, ultrapassamos a barreira do som, criamos Kilotons de energia em uma única explosão, curamos doenças, clonamos seres vivos, extingüimos seres vivos e só estamos onde estamos, hoje, porque nós não aproveitamos este potencial que se dilui nas massas, que se perde nas discussões, que desaparece na conformidade que acaba junto com cada desistência arrancada de cada potencial, de cada pessoa, que, por fim; sucumbe à integridade do sistema e se torna mais um pino no tabuleiro do desenvolvimento.

Aqui, meus caros, vocês verão e serão vistos, será um “laboratório do exercer”; existirão tarefas mil e assim será o número de pessoas a trabalhar nelas; cada tijolo por assentar terá o pedreiro que o sabe fazer, cada prédio a subir terá o engenheiro que o fará (com a ajuda dos pedreiros, claro). Se você for um administrador, administrar você vai; não vai ficar entre baias reclamando das notas que tem que preencher, das planilhas que estão erradas: você vai administrar. Se você for um diretor de cinema, aqui você vai fazer cinema e não vídeo institucional da fábrica de calçados Courobil e o mais importante: aqui, se você disser que tem que ser “A”, não vai ser ninguém que vai dizer “B” ou “C”. “A” será.

Aproveitaremos todos aqueles que mostrarem verdadeiro interesse e potencial. Decisões simples e objetivas feitas por gente que entende do que está falando. Arquitetos falando de arquitetura, padeiros falando de brioches, médicos de cirurgias e assim infinitamente até o fim dos tempos. Ah! vagas limitadas, afinal, o Paraíso não é pra qualquer um!

Compartilhe!

4 Comentários on "Empreendimento do ano!"

  • Lu diz

    Amigo: Se ainda houver vaga, tô dentro! Embora satisfeita e reconhecida no meu trabalho, tenho potenciais ainda não adequadamente apreciados de forma profissional. São eles: tomar cerveja, comer linguiça com cebola, chupar bala de menta, dirigir descalça, ouvir música bem alto, tomar cerveja, dançar de uma forma estranha, fazer sinal pro trem parar, rir de mim mesma, ler revista velha em consultórios, ficar duas horas debaixo do chuveiro, usar a luz do corpo para ler de noite, tomar cerveja, detestar flanelinhas, gostar de sombra e água fresca, amar a vida, acreditar no futuro, desejar ser feliz e, finalmente, tomar cerveja geladinha. Se houver espaço para esses talentos, tamusaí, ok? Parabéns!

  • diz

    Rafa, onde a gente baixa o formulário de matrícula?

  • Na boa … CARALHO! É isso!! Eu quero! (E falando nisso … sinceramente, quem você pagou pra escrever o texto pra vc? Escreve muito bem esse daí! )

  • Adorei…uma das questões que mais penso atualmente é sobre isso !!A mediocridade de ser trabalhar numa empresa! Eu e uma amiga ( da Pedagogia USP), fizemos um blog com alguns textos que escrevemos sempre. Visão feminina das coisas…Seria legal vcs entrarem e trocarmos algumas idéias e tal. Quem sabe não é um começo de algum projeto que me faça sair logo da minha empresa…

    Abraços

    Silvia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *