Pois é …

É curioso notar como o tempo é relativo. Eistein que o diga. Aliás, inteligente como era, se estivesse entre nós Eistein diria: “Se ferrou Schummi !!!!!”. Afinal, ele não correu o GP da Itália, onde deveria ser sua casa.

Mas voltando ao tempo, ou melhor voltando no tempo, quer dizer … retomando o que estava dizendo, o tempo é algo realmente relativo.

Todos nós sabemos que quando fazemos alguma coisa que gostamos, o tempo passa muito mais rápido do que quando fazemos algo que não gostamos. Isso é injusto né ? É injusto sim. Quando eu era menor sempre pensava como seria bom se tivéssemos três meses de aula e nove meses de férias… Ahhh, que maravilha… eu era pequeno, mas não era bobo.

Mas Domingo tive outra experiência que me mostrou outro lado da relatividade temporal. Já pensei nisso antes, mas desta vez foi gritante. Bom, para quem não sabe, Domingo fui fazer um rally de regularidade. Ok. Acordei às 5h30 e só fui dormir lá pela 01h00 da noite. Segundo o relógio de qualquer ser comum, eu fiquei acordado então, 19 horas e 30 minutos certo ? Errado !!!

Não é possível que essas 19 horas sejam as mesmas 19 horas que eu tenho na minha quarta-feira, quando acordo às 06h40 e durmo às 2 e pouco. Meu dia-a-dia pode ser resumido em poucas horas …Eu acordo, sempre atrasado, tomo meu banho, sempre correndo, engulo meu café, sempre sem gosto, pego meu carro, sempre sujo, vou à faculdade, sempre com trânsito, assisto às aulas, sempre querendo ir embora, vou para o estágio, sempre com trânsito, trabalho, sempre com fome, almoço, sempre com pressa, volto ao trabalho, sempre com sono, trabalho, sempre esperando às 19h00, vou para a outra faculdade, sempre com trânsito, assisto aula, sempre rindo, volto para casa, até que em fim sem trânsito, chego em casa, sempre com fome, janto, sempre com muito gosto, converso com meus pais, sempre com prazer, ligo para minha namorada, sempre com amor, converso com ela, sempre; faço alguma coisa que gosto, sempre sabendo que já passou da hora, vou dormir, sempre querendo ficar acordado, rezo, sempre com Deus, durmo, sempre com música, sonho, sempre me esqueço, e eu acordo, sempre atrasado …

Bom, na verdade ás vezes varia um pouco, mas basicamente é isso. E naquele Domingo? Não vou (por piedade a você, pobre leitor) escrever tudo que fiz e vivi… mas com certeza seria um texto muito maior do que este que você acabou de ler. E então, como fazemos? Será que deveríamos contar a vida como um jogo de futebol ? “Quantos anos você tem ? Bom, de tempo de vida 20, mas de bola, ou melhor, de vida corrida, 32 anos.” Isso seria uma boa. Não sei quanto a você, mas eu gostaria de ser o cara mais velho do mundo…

Quando estava voltando para São Paulo, e pensei na chuva que peguei ao ir para o Rally, eu ia comentar com o Rodrigo (meu companheiro de equipe):”Que chuva animal que pegamos ONTEM, né?”. Daí parei e pensei em como eu havia vivido naquele mesmo dia… Foi bom demais !

Talvez, nós devessemos nos preocupar mais em VIVER os dias e aproveitar cada minuto de vida que temos, já que não temos gandula nem outra bola para jogar. Se a minha vida tem um tempo de vida corrida e outro de vida parada, vou tentar jogar no ataque e não vou fazer cera. E para mim, fazer cera, é perder tempo fazendo aquilo que não gostamos (aquilo que o tempo demora mais a passar) sabe?

Well, é mais ou menos isso, a crônica não tá engraçada, mas também não é séria, não é legal e não é redonda, mas o que eu queria dizer mesmo, acho que foi dito. Portanto galera, vivam o máximo que puderem, e não se preocupem só com o futuro, senão o presente vira passado e sua vida vira um sonho que nunca se realiza…. Caramba… peguei pesado.

Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *