Ser ou Não Ser …

Finalmente posso dizer de boca cheia: Eu sou um escritor. Amador, mas um escritor.

Não posso negar que sou obrigado a escrever desde as aulas de caligrafias da 1ª série. Mas escrever como estou fazendo agora, por gosto mesmo, por vontade de dizer algo a alguém. Faz pouco tempo.

Pra falar a verdade faz mais de um ano. Levando-se em conta que eu tenho 21 anos, isso representa 4,7619 % da minha vida. Se bem que, acho que não devia ter escrito isso. Um escritor de verdade não usaria porcentagem (com 4 casas decimais) para falar do quanto a escrita é importante na sua vida.

Mas se considerarmos todos os textos que já escrevi, acho que já posso ser considerado um escritor (amador, é verdade, mas escritor!).

Ontem dei um passo muito importante na minha carreira. Terminei meu 1º curta-metragem. E estou muito feliz com isso. Com mais de trinta crônicas escritas, e um curta-metragem (na verdade não acabei, acho que ainda faltam alguns ajustes, mas ele está lá, todinho escrito ) acho que já posso ser considerado um escritor, né ? Tudo bem eu sei, amador, mas um escritor, pô !

É complicada essa vida de escritor, sabe ? A gente não sabe muito bem como agir. Ontem quando acabei o roteiro, às 3 horas da manhã (isso é que é horário de escritor acabar uma obra !), imprimi algumas cópias para a apreciação de amigos e professores. E aí fui dormir.

Mas um escritor não acaba um livro e vai dormir. Então levantei da cama, e busquei uma atitude digna do que eu acabara de me tornar. Fui até a sacada olhar a paisagem da cidade. Não deu muito certo porque moro no 1º andar.

Pensei em acender um cigarro, mas não sei tragar. Ia ser ridículo tossir compulsivamente na comemoração da finalização do meu roteiro. Pensei então, em beber algo. Mas já era muito tarde, e às 7h30 da manhã eu tinha uma aula importantíssima na faculdade. Não pegaria muito bem chegar lá bêbado, aliás, bêbado, eu nem chegaria lá.

Finalmente, uma idéia acabou com meu drama: Fui até a velha moringa da cozinha, e com as luzes apagadas mesmo, virei um copo de água, sem parar ! Agora sim, posso dizer que celebrei veementemente o meu futuro sucesso.

Deitei na cama realizado. Escutei o “ploft” característico de quem se deita com a barriga cheia d’água. Mas tudo bem, afinal, ainda sou um amador, e esse tipo de erro é perdoável.

O grande problema é que não consegui dormir até o amanhecer, por causa disso. Se bem que essa não é uma má história. Uma noite de insônia na conclusão da primeira grande obra até que é romântico.

Romântico se eu não tivesse aula de manhã, estágio de tarde, mais aulas de noite, e ainda um free-lance de madrugada. Afinal, para manter meu desejo de escrever aceso, preciso ser mais do que um escritor. Acho que a definição mais próxima do ideal seria escritor-estudante-estagiário-webdesigner. E seria muito melhor, se eu fosse tudo isso, acordado !

Pois é, realmente já não sei muito bem, o que posso dizer que sou. Devo ser um sonhador. Pode até ser, mas até que seria fantástico se eu acabasse me tornando escritor mesmo. Pode ser amador, tudo bem. Eu não me importo.

Compartilhe!

2 Comentários on "Ser ou Não Ser …"

  • Priscila Inowe diz

    Amei sua crônica. Leve , bem escrita, deliciosamente floreada! Parabéns pleo estilo de escrever!

  • Priscila Inowe diz

    “pelo” estilo de escrever…Mesmo que eu escreva para um “amador” , que ao menos as letras estejam certinhas, cada qual em seu lugar, rs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *