O Dono da Bola

Era uma vez, uma turma de garotos (uns 10, 11 anos) chamada Mundo. Essa turma era muito grande e como toda turma grande, existiam as panelinhas.

É claro que havia algumas brigas entre esses grupos, mas ultimamente o negócio estava mais calmo. Com a idade, o pessoal percebeu que o que interessa é o poder. Brigar no tapa mesmo, não vale a pena. A não ser por algumas questões mais pessoais.

A panela dos G.U. (Garotos Unidos, assim que eles eram conhecidos) era famosa pelo seu poder. Eles se metiam em tudo. Resolviam problemas entre grupos que não estavam entrando em acordo (mesmo que não tivessem nada a ver com a história), escolhiam as músicas, filmes e roupas que viravam moda no resto do Mundo, tentavam impor suas gírias como língua oficial do Mundo. Enfim, eles se achavam o dono do Mundo.

Tinha um tal de Fidão, morava na Rua Cuba, que não gostava muito dessa história. Mas desde que o garoto com a mancha na testa e nome difícil (que também não gostava dos G.U.) perdeu o poder na sua galera, o Fidão e o pessoal lá da Cuba, ficou meio isolado do resto do Mundo. Dava até pena.

Os G.U. eram muito espertos, e com o tempo foram aprendendo a dominar o resto do Mundo com uma atitude extremamente despótica, e aquela cara de quem só “tava querendo ajudar”. Criaram até um tal de FMA (Fundo para Mesadas Atrasadas), onde emprestavam dinheiro para o pessoal das outras tribos, desde que estes pagassem uma taxa (coisa pouca) pelo empréstimo.

Um pessoal do sul (que era metido a falar “Somos os melhores jogadores de futebol do Mundo”) estava devendo uma bolada pros G.U., quer dizer, pro FMA. Eles até tentaram negociar, mas o pessoal do G.U. disse que eles tinham que dar o Bosque Tropical deles pro Resto do Mundo, e não houve acordo.

Nos últimos dias, teve uma eleição nos G.U. pra decidir quem ia ser o Dono da Bola. É, o Dono da Bola era quem mandava. Fazia o que queria. Diziam até que o último dono da bola (tudo bem que ele era bonitão) tinha “dado uns pega” numa tal de Mô. Dentro da sua própria casa, só que a namorada dele não gostou nada da história, mas (porque também gostava do poder nos G.U.) acabou fingindo que não soube de nada. O poder do Dono da Bola era tão grande, que ele até foi do outro lado do Mundo, bater um papo com a turma do Charlie, porque há um tempo atrás, quando deu uma briga feia no Mundo, os G.U. tavam experimentando umas bombas novas (coisa pesada !) e acabaram destruindo uma parte daquela rua. E os Charlies (assim que os G.U. chamavam os caras) aceitaram as desculpas na boa, só porque o Dono da Bola foi lá !

Os dois candidatos pra Dono da Bola eram, o Au (na verdade Augusto, mas ele queria criar intimidade com o pessoal e preferia ser chamado assim) e o Jorginho (que já era raposa velha, embora ninguém levasse ele muito a sério). O pessoal dos G.U. disse que a votação foi tão parelha, que ninguém se convenceu de quem tinha vencido ou perdido.

Enquanto isso, o resto do Mundo esperava. Afinal, todo Mundo queria jogar bola.

Mas ninguém desistia – Eu ganhei ! – dizia o Jorginho – Não ganhou não ! – retrucava Au Gusto.

E todo o Mundo esperando. Mas até que estavam achando engraçada aquela briga. Já corria até piada sobre o assunto em todo o Mundo.

Porém, nada de decisão. Au Gusto e Jorginho não se entendiam. O resto do G.U. também não sabia muito bem o que fazer.

O resto do Mundo já não agüentava mais ! Mas os G.U. estavam ocupados demais com seu problema para ser preocupar com o resto do Mundo. Aliás, parece que ainda não descobriram o que vão fazer. Até perguntei para um deles – “E o resto do Mundo ?”, e ele respondeu (mais exaltado) – “O resto do Mundo que se dane!”.

Compartilhe!

1 Comentário on "O Dono da Bola"

  • Rafael diz

    Caralho, Mamute! Eu nem lembrava desta. Porra tá bem melhor que a minha! fiquei até com vergonha. Agora é quetão de honra fazer uma outra crônica só pra não deixar a minha muito tempo no ar……hehehe. Cacete.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *