Eu, terrorista

Hoje, se eu pudesse, jogava uma bomba no Mundo!

Se eu morasse nos EUA, provavelmente nem estaria mais vivo agora. Ainda mais que estou conectado à internet enquanto escrevo. A CIA já teria acabado comigo, pela própria rede.

Mas o simples fato de que gostaria que tudo explodisse não quer dizer que tenho algo a ver com essa guerra. Se eu sinto algo em relação a essa palhaçada toda, é medo, e nada mais.

Eu gostaria que tudo fosse pelos ares, por diversas razões que só a mim interessam, e ninguém tem nada com isso. E não queiram me proibir de sentir o que sinto!

Deixem-me, pelo menos uma vez, expor o todos meus pensamentos, por mais agressivos, irracionais e raivosos que possam parecer

Se eu falasse o que estou dizendo, cara-a-cara com a maioria das pessoas, eu veria uma expressão de reprovação, ou descrédito. Muito próxima da que você deve estar tendo agora. Desculpe a sinceridade, mas pouco me importo.

Quero que voe pelos ares toda e qualquer tipo de convenção social estabelecida em que eu seja obrigado a ser polido, educado e civilizado. Quero, simplesmente ser eu. E escrevendo, mesmo que eu fira, sangre, arrebente ou mate … Serão apenas palavras, e nada poderá ser feito.

Citando um trecho de Álvaro de Campos:
“Abram-me todas as portas!
Por força que hei de passar!
Minha senha? Walt Whitman!
Mas não dou senha nenhuma…
Passo sem explicações…
Se for preciso meto dentro as portas…
Sim – eu, franzino e civilizado, meto dentro as portas,
Porque neste momento não sou franzino nem civilizado,
Sou EU, um universo pensante de carne e osso, querendo passar,
E que há de passar por força, porque
Tirem esse lixo da minha frente!
Metam-me em gavetas essas emoções!
Daqui pra fora, políticos, literatos,
Comerciantes pacatos, polícia, meretrizes, souteneurs,
Tudo isso é a letra que mata, não o espírito que dá a vida.
O espírito que dá a vida neste momento sou EU!
Que nenhum filho da… se me atravesse no caminho!
O meu caminho é pelo infinito fora até chegar ao fim!
Se sou capaz de chegar ao fim ou não, não é contigo,
E comigo, com Deus, com o sentido-eu da palavra Infinito…”

Para terminar, não gostaria de concluir absolutamente nada. Não quero que você pare pra pensar sobre qualquer coisa que tenha lido, e muito menos que tente entender o que está se passando.

Sem mais nada a dizer. Isso é tudo.

Compartilhe!

7 Comentários on "Eu, terrorista"

  • Paulo diz

    E eu pensando que eu andava meio amargo….

    Cara, faço minhas as palavras do Kris ( é, tou roubando mesmo! )

  • Esse cara tá lendo muito Pessoa. Come chocolates, pequeno, come chocolates… Olha que não há mais metafísica no mundo senão chocolates!

  • Rafael diz

    Pois não senhor, FOD … – SE!!!!

    Quer um pouco de vai te catá?

    Ou um copo de vai pra p….. que …..p…?

    É isso aí chuta a canela!!!!!

  • Então tá, cada um com os seus problemas!!

  • Leopoldo diz

    É isso mesmo!!!

    Vai te catá!!!

    E quem diabos é Walt Whitman? – Desculpe minha ignorância… E hj no Simpsons passou um espisódio onde aparece a mãe do Homer, e tem uma cena q o Homer encontra o túmulo de Walt Whitman.

  • Kris diz

    Ricardo, se vc quiser bater um papo uma palavra de apoio, estamos aí…não fica assim não…

  • Apóio todo o tipo de expressão e até violência que tem fim em si mesma, sem ter relação com o que se pode compreender fora dela própria. Ainda mais, uma bela expressão.

    Além disso, sem comentários.

    Bjo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *