Acredite Se Quiser

É engraçado como as coisas vão acontecendo e, muitas vezes, a gente nem se dá conta. Não sei se vocês sabem, mas há 7 anos atrás (isso mesmo, 1995, o Brasil já era Tetra) só umas 50 pessoas tinham Internet no mundo todo! Dá pra imaginar a vida sem ela, hoje em dia? Acho que não, nos acostumamos com certos confortos e privilégios e nos esquecemos que já vivemos sem eles.

Se nós, que estivemos presentes num passado tão próximo, e ao mesmo tempo distante, temos essas dúvidas, imaginem só, como será a cabeça das próximas gerações. Nosso cotidiano soará de uma forma tão absurda, que poderemos inventar milhares de aparelhos (que nunca existiram), afirmando, com toda propriedade, sua existência e até modo de funcionamento. Uma espécie de Flinstones, na vida real.

Com um pouco de esforço já consigo pensar numa série de aparelhos e procedimentos extremamente “comuns” no nosso pseudo-passado pré-histórico:

-Telefone celular com disco (que fazia um barulhinho – ta- ta- ta- ta- ta – quando você discava o número);
-Palm top a corda;
-Refrigerante com tampa de rolha;
-Cd-rom em vinil;
-Monitor de computador preto e branco, de madeira com o seletor manual que tinha que esperar esquentar pra funcionar;
-Luzinha de relógio do tipo Indiglo, à querosene;
-Walk man à válvula;
-Disqueteira de vinil (para os rádios de carro);
– Mostrador de relógio de pulso digital com aquelas plaquetas pretas que ficam caindo
(que nem relógio de aeroporto);
-Cartão de crédito com furos (caiu o cartão?);
-Tinha ligar pra telefonista pra passar o “e-mail” para alguém;
-Quando os programas de tv tinham pouco movimento, era porque demoravam para carregar (sabe como é, né? Naquela época, a rede era muito lenta);
-Jogos de rpg em atari;
-Raspar a sola do tênis novo no chão pra não escorregar;
-Boneca “inflável” de madeira;

Acredite se quiser …

Compartilhe!

2 Comentários on "Acredite Se Quiser"

  • Anninha diz

    Adorei!

    Os aparelhos e procedimentos “comuns” do nosso pseudo-passado pré-histórico são o máximo! A boneca inflável de madeira foi o auge! *rs*

    Ah! Lembre-se que havia também a versão para Odissey dos jogos de RPG…

  • Pamela diz

    Oi Cá! Tudo bem? Estou com muita saudades sua, muita mesmo, adorei os dois primeiros textos e eu vou começar a reparar mais em um parafuso e em outras coisas também

    beijos te adoro!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *