A Maior de Todas as Polêmicas

Poucas coisas são capazes de causar polêmica hoje em dia. Num século onde política, futebol e religião já não são capazes de fazer a maioria da população brasileira partir para as vias de fato numa discussão, a gastronomia assumiu o papel de grande centro de discussões ideológico-filosóficas nas mesas de bar.

Posso dizer isso por conhecimento de causa, já que nunca usei meias-palavras nas minhas controvertidas opiniões neste segmento, seja como Gourmet de X-Salada que sou, como apreciador da única e verdadeira pizza (a de muzzarela), ou como contumaz crítico do presunto na lasanha.

Mas nada, eu garanto! Nada causará tanto pânico, horror e revolta quanto o que escreverei nas próximas linhas.

Se você não se julga capaz de controlar seus sentimentos em relação a algo que fere os seus princípios mais primitivos, rogo para que pare de ler esse texto agora. Por favor!

Se você continuou, a escolha foi sua. Eu tinha que escrever esse texto para me livrar desse tormento que me persegue por anos, mas você, caro leitor … você tinha escolha. Você poderia ter evitado isso:

Eu odeio a casquinha do sorvete!

Considero esse cone maldito uma aberração da culinária moderna. Quem, meus caros, quem é que sente uma louca vontade de devorar um prato de porcelana enquanto janta um delicioso faisão? Quem é o maluco que deseja, mais do que a mulher amada, mastigar cacos de cristal enquanto degusta o mais nobre bouquet francês ?! Será que algum infeliz, em toda a história da humanidade, fez questão de triturar taças de metal ao se refrescar com um legítimo sundae ou colegial?

Então por que, MEU DEUS, por que devemos comer o cônico recipiente que segura (muito mal e porcamente, diga-se de passagem!) o sorvete de massa que tanto adoramos!

Aquele cruzamento de cortiça com isopor deve ter sido utilizado pela primeira vez, como um desesperado improviso de um químico desempregado e ambicioso, que misturou diversas matérias primas de polímeros cancerígenos criando algo que aparentemente não atrapalhasse o gosto sorvete.

Um defensor da casquinha um dia ousou me argumentar que o “Cornetto” conseguira resolver bem o problema do finalzinho da ponta que fica sem sorvete:” Puseram um chocolatinho lá, que quebra com gosto seco da casquinha …”.

Como assim?! Se fosse bom, não precisavam colocar chocolatinhos alí!

O que mais me revolta, é que vivem falando que McDonald’s é comida industrializada, que tem gosto de isopor, que não é saudável. E A CASQUINHA?! Ninguém nunca disse que aquilo é isopor, mas olhem os furinhos, droga!! Isopor puro!! E as pessoas comem !!!

O McDonald’s deixou o isopor nas caixinhas de Big Mac na década de 80, atendendo a milhares de pedidos ecológicos, mas os sorveteiros continuam ferindo o nosso planeta! E vocês, comedores de casquinhas, não só compactuam desse mal, como ainda COMEM ISSO!!

Já que vocês gostam tanto desse tipo de comida, por que não experimentam os copinhos plásticos que pelo menos são mais sinceros e dizem: “Sim, eu sou um produto químico manufaturado!” Ou se você é bom mesmo, coma o palitinho dos sorvetes de praia! Vai lá! Come! Quero ver na hora de sair!

Agora me dêem licença, que o calor dessa noite, e principalmente dessa discussão me obriga a acabar logo com essa crônica!

– Garçom, um sorvete por favor… Copinho, heim ?! De copinho!

Compartilhe!

12 Comentários on "A Maior de Todas as Polêmicas"

  • Morre!!!!!

    Essas pessoas q não tiveram infância viu?

  • Kris diz

    DE JEITO NENHUM!!!!!! Não é de isopor…não pode ser…principalmente a do Mc Donalds e o popular cascão ou king cone…

  • Murilo Boudakian Moyses diz

    Ricardo. Eu, como grande crítico de gastronomia, não posso deixar de concordar com você. Mas que comer a casquinha é bom, isso é.

  • Olha, não é por nada não, seu Ricardo. Casquinha isopor é ruim mesmo. Mas aquelas de cascão… ah… cascão… ah… cascão!

  • anninha diz

    Ai, ai! pra mim, só o sorvete já vale. Quando era pequena, só queria de casquinha, afinal, era criança! Hoje em dia, como a casquinha só mesmo quando é cascão… do contrário, por concordar que aquele raio daquele negócio é mesmo um cruzamento de cortiça c/ isopor, vou de copinho tbm…

    Ri, adorei o texto. Está mto gostoso (claro, né?!), mto criativo e mto a sua cara

  • Ricardo Alter diz

    Como estudioso gostaria de lembrar que é um facto normal comer a casquinha do sorvete… esse processo tem maior força durante a adolescência quando vc tenta tirar a casquinha das meninas mas só consegue chupar o dela. Para solucionar esse problema interior.. essa revolta… no lugar de chupar o dedo, o sorvete. No lugar da casquinha da menina, uma casquinha de isopor… Óbvio! O resto é só consequência.

  • Lilian diz

    Cada um como seu vício…tem gente que fuma, gente que bebe, gente que masca chicletes… e gente que come isopor! E digo mais! Prefiro meu isopor sabor casquinha do que sabor fandangos…

  • Lilian diz

    Além do fato de que servir sorvete de massa em casquinha já é quase um fato social…

  • Sérgio diz

    Você não enedeu. A casquinha faz parte do sorvete. O “prato do faisão” é o o guardanapo. Esse sim, você não deve comer.

    Para você ter uma idéia de como isso é comum, pense na função do pão do sanduíche. Ele só surgiu para que você não suje as mãos enquanto se farta da carne que está dentro dele.

  • Jina diz

    Ah, sim, a maior de todas as polêmicas. Quero dizer simplesmente que adoro casquinha de sorvete, e posso me considerar sua maior defensora. Quanto mais parecido com isopor melhor. Casquinha de sorvete tem a mesma textura e característica da pipoca, dos salgadinhos vendidos na feira, daqueles “palitinhos” de milho, bijus etc. e etc.

    Não há combinação mais perfeita que sorvete e casquinha! Aprecio principalmente o paradoxo maravilhoso entre o sorvete, úmido e gelado e a casquinha, seca e quase real isolante térmico.

    Apreciar uma casquinha é muito mais do que simplesmente comer. É saborear algo sem sabor mas ao mesmo tempo único. Porque não há nada na natureza, em estado bruto, que tenha essa textura, esse sem-sabor, isolante térmico, mas viciante. É o poder comer algo realmente parecido com isopor, sem passar mal. É um alimento totalmente popular, e podemos arriscar ainda, democrático. É produto genuinamente industrializado e cheio de alma urbana.

    Isso sem mencionar ainda as vantagens ecológicas de se utilizar a casquinha comestível em contraposição ao copinho de plástico, que se tornará lixo, reciclável ou não, mas lixo de qualquer forma. Enquanto a casquinha comestível irá passar pelo trato digestivo e posteriormente terá seu conhecido destino de caráter orgânico.

  • Luna diz

    Rica,

    Essa da casquinha é muito boa, morri de rir… Mas como adoradora de sorvetes que sou: eu só evito pedir sorvete na casquinha porque no copinho vem mais, viu??

    Beijinhos

    Paty

  • malena diz

    vamos criar mais polêmica gastronômica? todos os paulistas vivem me condenando quando digo que adoro pizza com maionese e catchup, e se possível meu tão querido molho de pimenta…e quanto à casquinha, vai me desculpar, mas é uma delícia, sendo quimicamente manufaturada ou não…o que os olhos não vêem o coração não sente (sorry for this!), mas na maioria das vezes ao paladar agrada!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *