Antes Só …

– Pô, cara! Consegui avisar todo mundo que precisava. Muito obrigado! Nem sei como te agradecer!
– Nem se preocupa!
– Claro que me preocupo! Eu preciso te agradecer de algum jeito.
– Magina.
– Não, é sério!
– Não, não …
– Cara! Eu nunca acreditei muito nessa história de coincidência ou destino, mas poxa … Você trabalha aqui perto, né?
– Hmm … é, mais ou menos. Eu fui transferido pra cá, há mais ou menos 1 mês.
– Olha aí! Tou falando. Tá completando 4 semanas que bateram no meu carro naquela rua ali atrás. Aquela rua que não tem ninguém nunca! O seguro tinha vencido naquela semana, aparece um louco na contra-mão e me acerta a traseira.
– Pois é. Eu lembr….
– Pois então! Começou aí! Você que me emprestou o celular pra ligar pro guincho, não?
– Sim, sim …
– Eu saí do carro tão bravo que meu celular voou no chão e escorregou pra dentro do bueiro. Ô dia!
– …
– Era teu primeiro dia de trabalho e você estava passando por ali, né?
– Vamos dizer que sim …
– Puxa … Muita sorte mesmo. Se você não tivesse passado ali naquela hora e me emprestado o celular eu não sei como eu faria. Não ia deixar meu carro atravessado e aberto no meio da rua aquela hora da noite!
– Perigoso mesmo.
– Mais uma vez obrigado!
– Não há de que …
– Aí … hehe … puxa vida, viu ? Só rindo …
– He-he …
– Na semana seguinte, eu ainda sem celular – essas operadoras enrolam a gente, viu?! Me prometeram pro dia seguinte, mas alegavam que meu CEP não estava certo e que por isso não conseguem me entregar o aparelho novo com “desconto” – mas então, na semana seguinte, eu conheci uma garota, amiga de uma amiga.
– Olha, não preciso saber da sua vida pesso-
– Não não, eu faço questão! Você vai entender onde eu quero chegar! Eu conheci a moça, ficamos nos ligando por um tempo e finalmente consegui levá-la pra jantar. Naquele japa, aqui do lado.
– Sei …
– Então … Jantar ótimo, ela linda, simpática, a conversa indo de vento em popa! No final da noite vou no banheiro e no caminho peço pra fecharem a conta pra pagar sem que ela perceba.
– Muito bem, um homem à moda antiga.
– Opa! Qual não é a minha surpresa?
– Qual?
– As maquininhas dos cartões todas “fora do ar”! E eu, que nunca ando com cheque, fiquei por meia hora tentando convencer o gerente a pendurar a conta, que no dia seguinte eu passava lá e acertava tudo. Eu não ia fazer a moça pagar a conta sozinha, né? Tudo dando errado e quem me aparece?
– Er … eu ?
– Exato! Se você não está lá “coincidentemente” pra confirmar que eu trabalho no prédio em frente, que estou todo dia lá, e que ia pagar tudo bonitinho, minha noite estava arruinada.
– Sorte mesmo …
– Opa! E aí, feliz da vida por ter contornado a situação, eu volto pra mesa, a moça deve ter achado que eu estava com dor de barriga … hehehe
– Ai, ai, viu? (meio sem graça).
– Convido ela pra ver um DVD em casa. E ela topa!
– Opa! (imitando o colega).
– Mas antes avisa: Eu queria te dizer, que acabei de sair de uma relação muito traumática, e tudo que você faz de bom pra mim, me lembra meu “ex-“.
– Eu quase me atirei no meio da rua pra ser atropelado.
– Putz …
– E mais : Então, eu aceito seu convite, porque você me faz muito bem … mas a partir do momento que eu perceber que você me deseja como mulher, você personifica o trauma que vem me atormentando há 4 anos …
– Puxa … Você não pensou em dar uma machadada na cabeça dela?
– Sim, claro! Mas eu estava sem machado.
– Pena …
– Bom … mesmo assim, tenho que agradecer de novo, porque até você aparecer, todos os indícios eram que a noite seria perfeita. E naquela hora, de novo, você me salvou!
– Nã-nã …
– É sim!
– Aí … olha só que coisa! Tamos aqui de novo hoje!
– Pois é …
– Eu, ainda sem carro, peguei uma carona com meu chefe até a esquina porque estava atrasado pra uma reunião super importante. Aí, presta atenção, heim?
– Opa!
– Eu desço do carro e venho pra cá. Carregando o notebook da empresa, com toda a apresentação e trabalho das últimas – adivinha?! – 4 semanas! Chegam dois elementos, me abordam, levam minha maleta, minha apresentação, minha carteira – que agora estava cheia de folhas de cheque -, meu caderno e agenda com toda minha biografia, meu relógio, meu celular que chegou ONTEM em casa, enfim, meu emprego, minha vida, tudo que eu tenho!
– Que horror!
– Sim, sim! E os seguranças do prédio não me deixam nem subir pra avisar os clientes porque eu não tenho documentos pra apresentar na recepção!
– Vixe Maria…
– Quem me aparece do outro lado, olha só, do OUTRO lado da cidade pra salvar minha pele, de novo!
– He-he … Não fala assim.
– Como não!? Você apareceu justo na hora do assalto e pôde me emprestar, de novo, o celular pra que eu avise todo mundo e, com muita sorte, não seja despedido por justa causa!
– Exagero!
– E pior, num é nem do lado do nosso trabalho. O que será que você fez você ter um compromisso justamente aqui, nesse horário ?!!
– Difícil explicar mesmo …
– Amigo … com todo respeito! Eu sou espada, heim?! Mas me passa seu cartão, eu faço questão de, quando eu tiver cartão de crédito de novo, te pagar um almoço.
– Olha não precisa …
– É o mínimo!
– Mas então … na verdade …
– Ok, não quer dar cartão, sem problemas, seu nome e telefone pelo menos, eu anoto … Deixa eu ver, onde … Tem papel aí?
– Claro. Pode pegar.
– Num vou nem falar obrigado de novo … Vou ter que te pagar um almoço no Figueira! Então, pode falar, qual seu nome?
– É …
– Vai, vai, fala!
– Murphy …

Compartilhe!

6 Comentários on "Antes Só …"

  • Aline Tieppo diz

    Baseado em fatos reais?! ;)

  • Rafael.... diz

    Back to the oldies!!!!!

  • Engraçado como tem gente se identificando com isso … Foi um texto que me veio tão sem motivo!

  • Verônica diz

    hahaha, muito bom. Depois de tanto tempo, voltou!

    Gostei.

  • Murilo Boudakian Moyses diz

    Que belo dia.

  • diz

    muito bom!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *