Da série “Quem não morre não vê Deus” : É simples!

Como diria um grande filósofo e amigo: “Tudo na vida tem 50% de chance de dar certo”. Você ganha na loteria, ou não. Você consegue beijar a Lavínia Vlasak, ou não. Você come Frut Loops com leite no café da manhã separando todos os aneizinhos rosas no canto direito do prato pra comer no final porque é mais gostoso, ou não.

Metade-metade. Não tem mistério.

Depois que você descobre que tudo se resume a um simples código binário as coisas realmente ficam mais simples.

Relacionamentos, por exemplo. Raciocinemos baseados em ciência pura : astrologia.

No zodíaco existem 12 signos. Considerando os casos mais ortodoxos onde temos 2 indivíduos envolvidos, encontraremos 144 tipos de relação (12 X 12, se você não sabe o porquê da multiplicação, acredite em mim, eu era bem bom em matemática no colégio). Sem contarmos os ascendentes, claro. Ou seja, quando você conhece alguém, das 144 relações possíveis ou você se dará bem … ou não. Ponto final.

Isso se você acreditar em astrologia. Se não acreditar, você faz parte do 50% que pararam de ler o texto meio do último parágrafo. Ou não.

Na verdade eu também não acredito muito nisso. Sou de áries e vocês sabem como são os arianos, né?!

Enfim, poderia continuar o texto com mil exemplos a fim de comprovar esta teoria, mas como ela é simples fico por aqui.

Apreciem com moderação. Ou …

P.S.: A série “Quem não morre não vê Deus …” traz crônicas criadas num momento de “branco” total, onde qualquer coisa que me passa pela cabeça é o tema da vez.

Compartilhe!

4 Comentários on "Da série “Quem não morre não vê Deus” : É simples!"

  • Rafael diz

    sempre um bom momento ler seus textos no meio de um dia de trabalho árduo. Obrigado.

  • diz

    É isso aí, Mamute, escrita-fluxo, mecânica, automática, deixando o inconsciente fluir. Ainda bem que o que passa pela sua cabeça fica registrado pra nosso deleite!

  • Verônica diz

    Pois é, 50%…hehehe.

    Estava com saudades.

  • Amanda diz

    Concordo, os anéis rosa são mais gostosos mesmo. Ou não, depende da vacuidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *