O Melhor de Nós

O melhor de nós teve que sair mais cedo. Era o que ele sempre fazia. Há 12 anos, toda quinta-feira, ele ia embora mais cedo do que os outros seis. Tinha sono antes da gente porque sempre foi o primeiro a acordar. Era aquele tipo de gente que já acordava feliz. Irritantemente feliz. E fazia barulho. Batucava. Cantava. Tamborilava a mesa por cima e pontapeava por baixo, provocando um ataque de nervos no coitado que sentava na frente.

Às vezes tentava fazer vozes, mas proibimos ele desse negócio. A sua imitação do Dollyinho foi uma das piores coisas já produzidas pela humanidade. Se fosse pra fazer vozes, que fosse em outras línguas. Aí ele era bom. Vai entender…

Quando eu digo que ele era o melhor de nós, não é um clichê babaca póstumo. Na nossa arrogância intelectual, nunca admitimos coisas assim. O fato é que somos bobos e auto-referentes o suficiente pra criarmos uma lista. E ele sempre foi eleito o melhor de nós. Sem discussão nenhuma. Não vem ao caso aqui os motivos, porque também não admitimos sentimentalismos puros, mesmo que verdadeiros. Mas acreditem, ele sempre foi unânime como o melhor de nós. Tipo a Sheila Carvalho no tricampeonato da mais sexy do mundo pela VIP. Se bem que ele sempre preferiu a Luize Altenhofen.

O fato de ser o melhor de nós não fazia dele perfeito. Ele deturpava praticamente tudo que podia. Odiava chaves e fechaduras. Pedia combinações de pratos absurdos para garçons novatos. Fazia naninha sentado à mesa durante a nossa “missa”, mas tomava caldinho de feijão com toucinho e costela depois de acordar (se bem que isso sempre foi digno do nosso orgulho). E tinha a porra da cebola assada. Quem pede como acompanhamento uma cebola inteira assada junto do espeto de carne? Ele pedia. Toda quinta-feira.

O melhor de nós acordava antes da gente quase sempre. A mãe dele fala que a gente nunca vai ser rico porque somos arrogantes demais pra isso e porque sabemos ser felizes. A gente demorou pra aceitar essa ofensa grave. Como assim, ser felizes? Ele aceitou no ato. Nunca teve vergonha do trágico destino de ser feliz. Mesmo que não pudesse ter razão. E olha … isso foi muito antes dessa frase virar meme.

Ele também era uma enciclopédia de memes. Uma das maiores gargalhadas que dei esse ano foi com ele reproduzindo um dos primeiros memes da internet. O Volpa me fez chorar de rir fazendo vozes, mesmo estando proibido disso, aquele deturpador …

O melhor de nós ficava feliz com tudo que pudesse fazer ele ficar feliz. E era muita coisa que fazia ele assim. A esposa. As filhas. O violão. As quintas. E as pequenas bobagens … Qualquer tipo de aliteração era um deleite. Ou será que eram as assonâncias ? Talvez a figura de linguagem certa fosse a paranomásia. Droga… Ele saberia o nome. E se não soubesse, chutaria com a maior convicção de todas. O fato é que se tinha algum tipo de musicalidade esquisita, o melhor de nós entrava em um looping momentâneo de felicidade. E batucava. E fazia vozes. Não, não. Não pode fazer vozes, Volponi! Caraio!

O melhor de nós estava também treinando pra ser o Tio do Pavê primordial. Ele seria o melhor Tio do Pavê que todos os Tios dos Pavês teriam pavê.

Foi por causa do melhor de nós que publicamos um livro, um dos nossos grandes orgulhos. Foi por causa dele que tivemos um site sempre muito melhor do que merecemos.

E vamos parar com essa babação de ovo por aí. O resto é tudo culpa de nós sete juntos mesmo.

Sei lá porque, o melhor de nós teve que ir embora muito mais cedo do que de costume.

Não dá pra entender isso, não. Nem com toda nossa racionalidade. Nossa arrogância intelectual. Nossa ranzincice. E nossa fé no Monstro do Espaguete Voador.

Mas pode deixar, Volpa.

Pode deixar que vamos continuar nos vendo todas quintas. E você ter ido embora não vai deixar o melhor de nós acabar.

Vamos ter que aprender a encontrar o melhor de nós sem você na mesa.

Não vai ser nem um pouco fácil. Mas vamos descobrir rindo, fazendo barulho e quem sabe batucando um pouco.

Só não vai rolar a porra da cebola assada.

Mal aê!

Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *