Confecções Saxofone

Esta é uma história verídica, sobre uma loja que realmente existe, chamada “Confecções Saxofone Ltda”. Só o resto é que é fictício, claro. Ou você consegue imaginar como esse nome ridículo foi escolhido para uma lojinha? Pura obra de ficção.

Digamos que o nosso personagem se chame Carlos. Não, Lucas. Melhor: Lálio. Isso, Lálio é sonoro, aliterante, perfeito. Vejamos. Ele tem mulher, dois filhos, talvez um cachorro. E é desempregado. Por que desempregado? Bom, já que estamos imaginando uma história do dono das “Confecções Saxofone”, nada mais óbvio de que esse cara tem que ser um desempregado para escolher um nome desses. Portanto, desempregado. Ou artista. Melhor: desempregado e aspirante a artista. Aspirante a artista é quase o mesmo que desempregado, mas você entende a diferença semântica entre o que ele acha que é e o que a mulher acha dele.

Ótimo, agora já temos até um começo de trama: a mulher o chama de desempregado. E ele sempre retruca dizendo que é um aspirante a artista, que ela não entende, que ele um dia vai fazer sucesso. “Não existe tocador de timba melhor do que eu num raio de 2 quilômetros!”, dizia ele. Temos que explicar a você, leitor, para que esta história faça um pouco de sentido, que Lálio não é apenas o tocador de timba do grupo, que se chama, vejamos, Ótica do Samba. Lálio é um aspirante a músico. Por isso, além de timba, ele toca cavaquinho, pandeiro e até bateria, quando os vizinhos estão viajando. Sua casa respira música. Bom, pelo menos o Lálio respira música, porque sua mulher respira o cheiro de cachaça e cigarro da roupa dele.

— Lálio, seu vagabundo! Estava de novo no Knex’s Bar com “aqueles” amigos ?
— Calma, querida, estava só ensaiando para o novo sucesso do Ótica do Samba.
— Sucesso, Ótica do Samba, cachaça… você pensa que eu sou idiota? Precisamos de sustento, e a grana que veio do falecido ja-já acaba. Quando é que vai começar a trabalhar, hein?
— Vai dar certo, desta vez vai dar certo.
— Sei, sei… como aquela vez, daquele coral idiota, como é que se chamava?
— Cobra Coral.
— E olha o nome, meu Deus, olha o nome!
— Você queria o quê? Era o coral de ex-recrutas do Batalhão! E a gente até cantava afinadinho…

Um dia, o grupo se desfez. O Carlinhos, que comandava o bumbão, desistiu. Foi vender Bíblia no centro. Espírita. Justo ele, que era primo do dono do Knex’s, o boteco dos ensaios. Agora não haveria novos ensaios. E o bairro da Suprema Caixeta não tinha mais o Ótica do Samba como grupo oficial.

Lálio sentia-se desolado. Como poderia sair dessa? Agora ele se via sem trabalho, sem grupo de pagode, sem desconto no bar e sem o maço de cigarros, que ele perdeu. Tomou uma atitude inesperada. “Vou comprar cigarros”. E foi. Depois do décimo-terceiro cigarro, veio-lhe a idéia: comprar um saxofone. Um saxofone dourado, reluzente, o som dos céus. Era o instrumento que sempre desejara tocar. Um saxofone seria o símbolo do prestígio que coroaria sua carreira de aspirante a artista. E pensar que ele tinha começado lá no Knex’s, batucando caixa de fósforo recheada de pedrinhas. Primeiro o pessoal do grupo tentou agredi-lo, mas viram que não adiantaria e deixou Lálio fazer parte, contanto que ele dançasse no ritmo. Foi difícil, mas ele conseguiu. E o saxofone deixaria todo mundo morrendo de inveja do seu talento.

Correu até a mulher para contar a brilhante idéia. Ela o esperava carinhosamente, de braços cruzados e com um enorme martelo de amaciar bife na mão esquerda. Por uma estranha razão que Lálio não compreendeu, a mulher não gostou da proposta. Para ela, um saxofone seria um absurdo, e essa “palhaçada” só faria sentido na cabeça de alguém que era, numa tradução livre de sua fala, um “bêbado desempregado que chega em casa cheirando a cigarro e que não quer nada da vida, seu vagabundo”. Ela tinha uma idéia muito, muito melhor, mais pé no chão. Abriria uma lojinha de roupas para gatos, copiando a madame da revista “Excêntricos Per Si” que tinha um siamês vestido de marinheiro. E eles ficariam ricos, e Lálio poderia ajudar na loja como um vendedor atencioso, limpo e cheiroso, bem diferente desse músico de “um quarto de tigela”.

— Mas Martifestana – era esse o nome da mulher -, meu amor !!! Que idéia absurda é essa? Roupa pra gato?
— Melhor que gastar o dinheiro com um saxofone, pra nada!
— E quem é que quer vestir gato?
— Ué, não comida pra gato? Não tem cama pra gato? Não tem médico pra gato? Só falta roupa e cabeleireiro…

No fim, não foi uma coisa nem outra. Martifestana viu que os únicos possíveis clientes roubavam o bife da cozinha, e esses não tinham dono algum para vesti-los. Ainda mais com a última tendência da moda. A “Miau Confecções” não saiu do papel. Mas o saxofone saiu, graças ao empenho de Lálio. Está lá, na plaquinha na frente da garagem da casa. “Confecções Saxofone”, onde Lálio finalmente aprendeu as diferenças entre “robe” e “bustiê”.

Compartilhe!

2 Comentários on "Confecções Saxofone"

  • paulo roberto vasconcellos diz

    bem confeccionado

  • bruna diz

    gostei de conistasunidos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *